Muvuca, Mocotó e Comida boa da peste!

Hoje eu fiz algo que sempre me neguei a fazer e que nunca tinha feito. Esperei por duas horas para almoçar em um restaurante. Nenhuma comida pode ser tão boa – ou a última da minha vida – que eu tenha que esperar tanto… Será?

Decidimos encarar e ver de perto o que é que o Mocotó tem. E por já saber das filas e espera de 2 horas nos preparamos para chegar lá ao meio-dia. Qual paulistano sai num domingo e vai até a Vila Medeiros para almoçar ao meio-dia? MUITOS!!  Assim que chegamos colocamos o nome na lista de espera e fomos, gentilmente avisados pelo “Caiçara” que a espera seria de 2 horas. “Ok, mas não acho que vou esperar” eu respondi.

Enquanto esperávamos por nossos outros convidados pedimos uma cerveja, mas a decisão já estava tomada: nenhuma comida, por melhor que seja, merece que eu fique na Vila Medeiros, em pé, no sol, esperando para pagar para comer. Nem era de graça!!!!! A tentação era atravessar a rua e ir até o restaurante da esquina que também vende comida nordestina.

Foi aí que a salvação do Rodrigo Oliveira (!) – e a nossa! – apareceu. Esperávamos em frente a uma obra que também é do Mocotó e vi umas cadeiras tortas e jogadas no meio de entulho. Uma muvuca! E como eu sou bem enxerida e continuava não querendo ficar em pé esperando para comer, comecei a resolver este problema. Arrumei duas cadeiras, que estavam com os pés quebrados, mas só descobrimos mais tarde, e uma banqueta. Assim começou nosso almoço! -(Só mais tarde, também, descobri que quem estava sentado em uma destas cadeiras, um pouquinho antes, fumando ao nosso lado, era seu Zé Almeida, o pai do Rodrigo e quem merece todo nosso respeito por ter um filho e um restaurante tão bons!).

A partir de então tudo começou a mudar de figura! Começamos com os dadinhos de tapioca e queijo de coalho servido com molho de pimenta agridoce. Delicioso e delicado. Derretia na boca! E mais cerveja. E uma caipirinha de cajú. Isso tudo na calçada, ouvindo os “mano” passarem com o volume do som do carro no último volume e vendo a galera subir e descer do 121G-10 Parque Novo Mundo. 

Depois vieram as torradinhas de carne de sol e queijo coalho e escondidinho de carne seca. O mais impressionante é o atendimento dos garçons que ficam prá lá e prá cá ouvindo o povo desesperado querendo ser atendido. O Julio e o Leandro foram campeões! Não erraram um só pedido e estavam o tempo todo sorrindo! 

Nessa altura do campeonato eu já estava amiga de toda a equipe e tentava, em vão, subornar o Caiçara e a Yasmin para liberar nossa mesa. Nem com as táticas de idoso e criança de colo funcionou… E o Caiçara continuava sorrindo em meio a essa maluquice!

Foi nesse momento que vimos o Rodrigo Oliveira lá na cozinha sorrindo e feliz. O cabra é macho mesmo! Fui até lá para cumprimentá-lo com o Pedrinho e a primeira coisa que ele fez foi abraçá-lo e lhe ofereceu um potinho de mandioca chips. Pronto! Eu esperaria mais cinco horas para almoçar! Além de cabra macho Rodrigo é gentil e hospitaleiro. Com a zona que é aquele lugar ele faz todo mundo querer ficar e se sentir em casa!

Depois de rodar tanto pelo salão e ver aquele montão de delícias pelas mesas, assim que sentamos eu já sabia o que pedir. Eu estava salivando! Pedimos o Baião de Dois, que veio muito leve e saboroso. Com bacon e carne seca na medida certa, sem estar gorduroso nem pesado. A Peixadinha do São Francisco também é uma excelente opção. Os pedaços de pintados estavam suculentos e envolvidos num molho de leite de coco delicioso. A farofa de castanhas com coco queimado deu toque todo especial. E ainda a Carne de Sol Assada com manteiga de garrafa, muito tenra, vem com pimenta biquinho e alho assado, tudo isso na chapa. Dava prá passar a tarde comendo, bebendo cerveja e jogando conversa fora!

Mas, depois de toda essa comilança, o ponto alto foi a sobremesa. CARTOLA! Não se esqueçam desse nome: Cartola do Engenho. Um doce tradicional pernambucano com o toque do chef. Affff! Banana com melaço, queijo manteiga e farofinha de açucar e canela! Ah! Esqueci de dizer que o Pedrinho quis uma salada de frutas que vem deliciosamente montada sobre um pão de ló e um chantilly com raspinhas de limão! Uma simples salada de frutas virou uma super sobremesa! 

Enfim, se você ainda não foi até o Mocotó, prepare-se, muna-se de paciência e de um GPS e vá. Não espere mais. Nem espere lá. Vá até a obra do que deverá ser a Padaria Mocotó – inside info! – monte teu cafofo na esquina e seja feliz!

Aproveite e dê uma olhadinha no site. A história é bem bacana!

Mocotó Restaurante e Cachaçaria

Av Nossa senhora do Loreto, 1100
Vila Medeiros – São Paulo – SP

Sobremesa azedinha para um pai muito doce!

Quando eu conheci meu marido ele logo me disse: “Nao quero me casar nem ter filhos!” (Ou algo assim…). Ele nega, mas eu sei que, na verdade, ele era assim e mudou!

Claro que quando a nossa cria nasceu ele ficou hipnotizado e se apaixonou no primeiro instante. E a genética foi bem generosa com ele. Nosso filho é a miniatura do pai. E isso é maravilhoso!!

Hoje, ao ouvir meu marido dizer que nunca sentiu amor tão grande quanto ao que ele sente pelo filho me faz ter certeza de que toda a persistência do passado valeu a pena! Fico muito feliz em não ter desistido la atrás  e não consigo imaginar pai mais doce e carinhoso para o meu filho.

E para curar tanta doçura e festejar o dia dos pais fizemos, a quatro mãos, essa sobremesa que além de tudo é a preferida do papai!

 

Potinhos de limão siciliano com coulis de framboesa (Serve 8 )

 

1 lata de leite condensado

a mesma medida de creme de leite fresco

suco de 2 limões sicilianos 

4 ovos

raspas da casca dos limões – somente a parte amarelinha

Para o coulis:

150 gr de framboesa

2 colheres de açucar

1/2 colher de suco de limão

 

Pré aquecer o forno a 180 graus.

Bater todos os ingredientes no liquidificador, exceto as raspas das cascas dos limões. Passar a mistura por uma peneira.

Acrescentar as raspas e colocar em ramequins individuais. Colocar os ramequins em uma assadeira e encher com água quente até a metade dos ramequins. Assar em banho maria por 1 hora ou até que estejam firmes. Faça o teste do palito.

Deixe esfriar sobre uma gradinha e coloque na geladeira por 1 hora.

Pulsar os ingredientes do coulis no liquidificador. Servir uma colherada sobre o creminho já frio. E desfrute esta delícia azedinha porque de doce já basta o papai!

 

Um (pedacinho) pecadinho de bolo de mandioca com côco

bolo

Nos últimos dias, andei testando várias receitas para um trabalho super especial que surgiu…

Aí, entre uma receita e outra, bateu um desejo de fazer um bolo que amo, mas siceramente, apesar das minhas raízes, nunca tinha feito. Só que ele tinha tudo a ver com o projeto: bolo de mandioca (como boa mineira ou aipim) com côco. Pedi para minha mãe a receita dela e fui testar… Na verdade, existem várias formas de fazer este bolo. Nos próximos dias, testarei outras e comento aqui.

A hora de fazer foi  uma novela a parte, pois não tinha um prato fundo daquele das antigas, tive que bater na porta da vizinha, qua acabou presentada com um dos testes… então, para facilitar a sua vida, medi as porções e coloco as duas opções de receita. Lembro que este bolo não é fofinho, aerado como os outros. É mais compacto por causa da mandioca. Mas tem uma liga, um sabor… huuuuummmm! Me acabei no bolo, acompanhado de um bom café coado… e assim virou mais uma história de um pedacinho que virou pecadinho…

Receita de Bolo de Mandioca com Côco – receita da D. Eloíza

– 1 prato fundo, cheio atá a borda,  de  côco fresco  ralado – isso dá cerca de 200g. Se vc preferir o côco seco, coloque-o de molho em 2 garrafas de leite de côco para hidratar por cerca de 30 min e depois pese.

–  1 prato fundo, pelo friso, de mandioca ralada, grosseiramente – cerca de 480g

– 1 xícara  e meia  de  açúcar – eu diminuí um pouco o açúcar. Pus só 1 xícara, gostei. Ficou equilibrado. Mas para quem ama açúcar pode ter ficado sem graça. – equivalência de xícara, veja no nosso “Pesos e Medidas”.

– 1  xícara  de queijo meia cura

– 4 ovos, sendo as claras em neve

– 1/2 copo de óleo ou 2 colheres de manteiga – usei a manteiga

– 1  colher (sobremesa) de canela – não pus

– 1 pitada de sal

– 1 colher (sopa rasa) de fermento

Modo de preparo:

1-Préaquecer o forno a 180 graus.

2- Misturar todos os ingredientes, menos as claras.

3- Acrescentar as claras em neve e colocar em forma untada.

4- Levar ao forno a 180 graus e quando  crescer, abaixar para 160 até dourar.