Escondidinho de mandioquinha e shitake fresco!

Desculpe-me insistir com a mandioquinha (ou batata baroa ou batata salsa), mas é que eu adooorooo! E além disso, os nutricionistas dizem maravilhas desse tubérculo que tem o índice glicêmico menor que a mandioca. Pra quem é diabético ou que está de olho na balança é bom levar este índice em conta!

Apesar do escondidinho tradicional ser feito com mandioca e as versões sem carne terem quase sempre bastante queijo,  esse escondidinho não perde nada em sabor! E olha que tem um tiquinho de gordura!

Assisti um documentário outro dia, aliás recomendo chama-se Fat X Sugar, Gordura (carnes, manteigas e etc) versus Açúcar ( doces, carboidratos e etc) . São dois irmãos médicos gêmeos idênticos que em nome da ciência fizeram cada um , uma dieta com ênfase em um desses e evitando totalmente o outro e vice e versa, para descobrir o que faz mais mal. Pra resumir muuuito ( vale assistir mesmo, se você gosta do assunto), chegaram a conclusão que o grande perigo são os dois juntos, porque a mistura é incrivelmente palatável, engorda muito mais e prejudica ainda mais a saúde! Ahaha por isso que sorvete, mousse e os salgados, escondidinhos e lasanhas são quase uma unanimidade!

Pois é, por isso esta minha luta em provar que não precisa ter tanta gordura ou farinhas refinadas pra ser delicioso. E esse escondidinho é uma prova!É  Bom , muito bom, boníssimo!

Claro que não vamos abandonar a lasanha ou o escondidinho de carne seca, mas a gente pode deixar estes pratos para ocasiões especiais. Isto não quer dizer que o escondidinho de mandioquinha não deva ser servido em dias especiais, muito pelo contrário, depois que você experimentar, servirá no almoço de domingo e olha que para uma descendente de italianos, significa a glória total rs!

Espero realmente que aprovem! Beijo e até a próxima!

 

Escondidinho de mandioquinha e shitake
Print
Ingredients
  1. 1 kg de mandioquinha cozida
  2. 200g de shitake fresco cortados em fatias
  3. 1 cebola cortada em rodelas finas
  4. 1/4 de xícara de saquê
  5. 2 colheres de sopa de shoyo sem glutamato monossódico
  6. uma colher de chá de pimenta calabresa ou outra de sua preferência
  7. 2 colher de sopa de azeite de oliva extra virgem
  8. Sal
Instructions
  1. Cozinhe as mandioquinha, mas não as deixe desmanchar. Tempere com sal e o azeite e amasse até formar um purê firme ( será que isso existe rs). Em uma panela leve a cebola e refogue sem nenhum óleo. Acrescente o shitake, o saquê, o shoyo e a pimenta, deixe cozinhar por 5 minutos ou até o cogumelo ficar bem macio. Ajuste o sal, já que o shoyo sem glutamato não é muito salgado, ainda bem!
  2. Monte em um refratário uma camada com metade do purê, recheie com o cogumelo e cubra com o restante do purê. Se o purê estiver bem quente, nem precisa esquentar para servir.
Notes
  1. Dica importante: Não lave os cogumelos ( todos os cogumelos), limpe-os com um pano limpo ou papel e perceberá que o resultado depois é um cogumelo tenro, muito mais macio! Use a pimenta que preferir, mas a calabresa deve ser levada em consideração rs!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Natal à brasileira com sobremesa de cupuaçu!

Creme de Cupuaçu com castanha do para Natal

É Nataaal!!!!

Creme de Cupuaçu com castanha do para Natal

 

 Sabe quando os dias já tem cheirinho de natal? Aqui em casa (ato falho: na casa dos meus pais) já está neste clima. Todos mais festivos, mais animados, mais amorosos. Da cozinha, vem aromas que me fazem viajar em minhas memórias. Encontros com os amigos, visita à familiares. Tudo me faz ter um fascínio especial por este período. Estar em Belo Horizonte me encanta mais ainda. Engraçado como estranhamente no meu coração tenho certeza que não volto a morar aqui, mas me sinto revigorada a cada volta. São as montanhas…

E sempre falta tempo.

Pela primeira vez na minha vida, não passarei o Natal aqui. É estranho. Quebra de paradigmas. Sou piegas. Achei estranho. Mas será bom. : /

Por sorte – foi mais por coincidência que por juízo – conseguimos nos reunir neste fim de semana anterior. Foi um Natal antecipado.

Uai! Tá ficando bom: 2 Natais em uma semana. Troca de presentes, piadinhas sem graça, e uma bela ceia. Tudo como deve ser.

Quem diria… não foi desta vez que não tive Natal em BH. Tive, mesmo que na data errada.

Para brindar esta época tão especial, divido com você a sobremesa que servimos neste encontro. Algo bem brasileiro e delicioso: Creme de Cupuaçu com Castanhas do Pará. Ouse. MUde. Quebre seus paradigmas. Mas não mude a essência. Não mude data do Natal, faça esta sobremesa! : D

Boas festas!!!

Creme (ou sorvete) de Cupuaçu com Castanhas do Pará
Print
Ingredients
  1. - 5 pacotinhos de polpa de cupuaçu
  2. - 1 xícara de açúcar
  3. - 2 latas de leite condensado
  4. - 3 latas de creme de leite sem soro
  5. - 100g de castanha-do-pará picadas finamente
Instructions
  1. 1- Colocar a polpa e o açúcar em uma panela e levar ao fogo brando para cozinhar por cerca de 20 minutos até soltar da panela como brigadeiro mole. Ele fica com o tom levemente dourado. Colocar para esfriar.
  2. 2- Despejar o leite condensado e creme de leite em uma batedeira ou liquidificador. Acrescentar o doce de cupuaçu já frio. E bater até ficar um creme firme.
  3. 3- Despejar na vasilha que você servirá e salpicar castanha-do-pará.
  4. 4- Levar à geladeira até a hora de servir.
Notes
  1. 1- Você pode utilizar o doce de cupuaçu já pronto se for fácil em sua região.
  2. 2- Você pode aumentar a quantidade de castanhas-do-pará e alternar as camadas: doce, castanha, doce, castanha. Vasilhas individuais dão um charme especial.
  3. 3- Neste calor, leve este creme ao congelador. Ele virará um sorvete especial!
Adapted from Receita da D. Alfa, vizinha da minha mãe em BH
Adapted from Receita da D. Alfa, vizinha da minha mãe em BH
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Chutney de Manga com Damascos para presentear amigos e para perfumar sua ceia de Natal!

Chutney de Manga

Chutney de MangaPromessa de Mamãe Noel é dívida! Conforme prometido e dando continuidade às nossas dicas de presentes e receitas especiais para as festas de fim de ano, hoje a dica é esta receita de Chutney de Manga super fácil e que dá um toque especial à sua ceia ou pode ser um ótimo presente para aqueles que você ama!

Se você nunca fez chutney, sugiro que experiemente esta receita. Acredito que você entrará no maravilhoso mundo das conservas! Práticas, saborosas e curingas!!!

Este chutney é um acompanhamento maravilhoso para o tender fizemos aqui e combina muito com pratos mais picantes, como os com curry, carnes de porco. Funciona até mesmo como acompanhamento de queijos. É realmente super versátil!

Sucesso garantido. Experimente e compartilhe!

Nesta receita, substituí a tradicional uva passa por damasco picadinho. Mas você pode utilizar o que estiver disponível  na sua dispensa. Eu gosto muito do sabor que o damasco acrescenta.

Boas Festas!

Chutney de Manga e Damascos
Print
Ingredients
  1. 2 mangas palmers
  2. 6 damascos secos
  3. 1 cebola
  4. 1 dente de alho
  5. 1 pimenta dedo de moça
  6. 2 colheres sopa de gengibre ralado
  7. 1 rama pequena de canela
  8. 1 anis estrelado
  9. 2 cravos da índia
  10. 1/4 de xícara de açucar mascavo
  11. 1/4 de xícara de vinagre de maçãs
  12. 1/4 de xícara de água
  13. Sal e pimenta do reino
Instructions
  1. 1- Picar as mangas, damascos, cebola, alho e pimenta em cubinhos pequenos.
  2. 2- Colocar todos os ingredientes em uma panela e levar ao fogo médio para cozinhar até obter uma textura próxima à geléia.
  3. Está pronto!
  4. Se for presentear, coloque em vidros previamente lavados e esterelizados. Eles podem durar cerca de 3 meses.
Notes
  1. Você pode dosar a pimenta conforme seu paladar. Aqui em casa adoramos pratos picantes, mas esta quantidade deixa com um nível médio.
  2. Para esterelizar os vidros, forrar o fundo de uma panela com um pano de prato limpo, colocar os vidros, encher de água de deixar ferver por cerca de 15 minutos nesta água abundante. Escorrer e colocar o chutney.
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

 

Love me, Tender… O Natal está chegando e o Tender voltou. Oba!

Tender classico natal

Tender classico natalEu também sou da turma que ama Natal! Desde criancinha. Gosto do clima festivo, gosto do clima (aquele calor chuvoso…), gosto dos ingredientes que voltam a ficar disponíveis nos mercados, enfim… gosto de tudo um pouco. Uma das opções que dá as caras é o Tender. Gostaria de começar uma campanha para que ele fique para sempre! #euamotender

Acho uma opção super prática que pode funcionar como petisco, prato principal, recheio de sanduíche, parte de uma salada… um coringa de fato. É prático mesmo. Até quem não sabe cozinhar, pode arriscar-se!

Assim que apareceu no supermercado, lá fui eu atacá-lo!

Como acompanhamento fiz um chutney de manga, que amo (já, já posto a receita e algumas ideias). Mas pode comprar já pronto.

Para o tender, fiz a receita mais tradicional. Acredito que é importante respeitar os clássicos. Claro que gosto de inventar (inclusive com o tender), mas tem tradição que nem precisa. É bom e ponto.

Neste dia, comemos, acompanhado por uma salada verde. Mas, para o Natal, vale caprichar na salada, fazer um couscous, por exemplo aquela receita que a Val postou aqui, ou arroz especial… mas fique tranquilo, ao longo deste mês daremos algumas dicas para você dar um show nas festas de final de ano!

Um brinde!

Receita Clássica de Tender com molho de tangerina
Print
Ingredients
  1. - 1 tender bolinha (em torno de 1 – 1,2kg)
  2. - suco de 2 tangerinas
  3. - cravos, o quanto baste
  4. - 2 colheres de sopa de mel
  5. Utensílio que facilita a vida: saco próprio para assar (dá para fazer sem, mas suja menos)
Instructions
  1. 1- Fazer cortes leves cortes na horizontal e vertical do tender, apenas para marcar e, em cada cruzamento, colocar um cravo. Passar o mel sobre a superfície do tender e colocar no saco para assar.
  2. 2- Dentro do saco, colocar o suco de tangerina e fechar, deixando um furinho para passar o vapor.
  3. 3- Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus e assar por cerca de 40 minutos.
  4. 4- Está pronto! O suco de laranja vira um delicioso molho de acompanhamento. Confira se está muito líquido. Em caso positivo, colocar em uma panela para reduzir um pouco e engrossar o molho. Não utilizo espessantes como farinha de trigo ou amido de milho, mas pode ser uma opção.
  5. Sirva com o acompanhamento que preferir.
  6. Boas Festas!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Quem nunca quis fazer picadinho, que jogue a primeira panela!

Picadinho indiano

Não… não vamos falar sobre momentos de fúria. Tão pouco sobre o tradicional picadinho, super comum nos almoços dos brasileiros, principalmente dos cariocas.

Este picadinho é importado! Alguns chamam de picadinho marroquino outros de indiano. Mas na prática, é uma receita com sabores bem brasileiros. Sua origem desconhecida deve ter sido uma inspiração nas mesas fartas destes países, mas adaptada à realidade brasileira. O importante é que o picadinho indiano é um sucesso com adultos e crianças. Ótima sugestão para aquele almoço despretencioso entre amigos. E tenha certeza: nunca haverá um picadinho igual ao outro. Logo, logo, você acrescentará algum item.

Eu fui apresentada à receita na casa da mãe de uma grande amiga de Curitiba. Por várias vezes, eu – que estava longe da família, ia filar o almoço de domingo. E, como em toda casa cheia, a solução tinha quer ser saborosa e prática. Lá a receita era nomeada: Picadinho Marroquino.

Anos depois, descobri que um tal de Picadinho Indiano era um dos sucessos da casa da minha sogra. A receita tinha o mesmo conceito da casa da minha amiga, mas já com suas variações.

Aqui postarei a receita da minha sogra, já com as minhas adaptações. Mas saibam de antemão que por várias vezes já a mudei. Tudo depende do que você tem em casa, do seu humor e uma super ideia: dos complementos dos convidados. Uma vez fizemos com uns amigos e foi super legal, pois cada um levou um item diferente.

Enfim, vamos ao que interessa!  

 picadinho indiano complementos

Picadinho Indiano
Print
Ingredients
  1. - 700g de carne moída
  2. - 2 cebolas (1 para refogar a carne e outra para servir) picada miudinha
  3. - 2 dentes de alho picados miudinhos
  4. - curry a gosto
  5. - 12 espetinhos de frango (você pode fazer o espetinho em casa se preferir com peito de frango cortado em cubos, marinado em uma mistura de iogurte, sal, pimenta do reino, páprica ou curry)
  6. - 8 ovos cozidos (cozinhe por 3 minutos a partir da fervura e mantenha na água quente, com fogo desligado por 10 minutos para a gema ficar amarelinha).
  7. - 1 maço de cheiro verde picadinho bem miudinho.
  8. - 100g de azeitonas verdes picadas miúdas
  9. - 150g de chutney de manga
  10. - 250g de amêndoas laminadas
  11. - 150g de queijo parmesão ralado
  12. - 200g de coco ralado
  13. - 4 tomates picados em cubinhos
  14. - 1 pimentão picado em cubinhos
  15. - 150g de passas
  16. - 300g de bacon fatiados e picados bem miudinhos
  17. - 8 bananas caturras ou da terra fatiadas e grelhadas
  18. - 1/2 abacaxi picado miudinho
  19. - 1 e 1/2 xícara de molho Satay - é um deliciosomolho de amendoim (½ xic de pasta de amendoim, 1 colher shoyu, 1 colher de melado de cana, 1 colher de óleo de gergelim tostado, 4 colheres de leite de coco, sal a gosto. Misture tudo até ficar com consistência cremosa e homogênea)
  20. - 2 xícaras de arroz ou couscous (cozinhar da forma tradicional)
Instructions
  1. 1- Refogar a carne com a cebola e o dente de alho. Reservar.
  2. 2- Preparar o arroz ou o couscous de forma tradicional. Reservar.
  3. 3- Pegar os ovos já cozidos, separar clara da gema. Passar as gemas por uma peneira para que fiquem miudinhas. Reservar em um potinho. Pegar as claras e picar miudinho. Reservar.
  4. 4- Picar todos os itens conforme descrito. Colocar cada item em um potinho para ir à mesa (isso inclui a carne e arroz).
  5. 5- Na hora de servir, grelhar os espetinhos.
  6. 6- Levar tudo à mesa.
  7. 7- Cada um se serve com o que quiser e como quiser. A dica é fazer uma montanha, começando pelo arroz (ou couscouz), carne e complementos. Fica bom demais!!!!
Notes
  1. Você pode substituir itens. Por exemplo, trocar a amêndoa por amendoim ou pistache.
  2. Ouse: coloque outros itens que você acha que podem combinar!!!
  3. Ah! E você pode preparar boa parte dos itens com antecedência.
Adapted from Letícia Villela
Adapted from Letícia Villela
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Como eu gosto de Feijão Tropeiro!

Feijao tropeiro

Feijao tropeiro jpegBom dia!!! Hoje é sexta-feita e já estou em ritmo de fim de semana! 

Não sei como demorei tanto tempo para escrever esta receita. Talvez porque seja tão comum fazer feijão tropeiro lá em casa, que sempre deixava para a próxima postagem.

Esta foto mesma foi feita às pressas, antes que todos atacassem…

Sempre que chegamos em BH, somos recepcionados com um tropeirinho, quer seja feito em casa, quer seja o do Mercado Central (recomendo muuuito!). O prato é tão amado pelos mineiros que é a atração gastronômica até no Mineirão, nosso principal estádio de futebol. É… feijão tropeiro e futebol, combinam! 

Mas nem preciso dizer que o da minha mãe é o melhor da cidade, né?

NOTA: Mineiro é meio italiano até nisso, os pratos da mãe são sempre os melhores e não discuta isso! Mas te juro que o da minha mãe é o melhor da cidade.. talvez do mundo… quiçá do universo!

Enfim, é uma vergonha ele não fazer parte do Memórias ainda. Então, “bora” corrigir este erro!

Este prato é de fácil preparo e pode ser um prato único ou pode ser acompanhado de uma couvinha refogada, arroz branco e o ovo frito (o meu com gema mole, por favor.).

Feijão Tropeiro da D. Eloíza
Print
Ingredients
  1. - 500g de feijão vermelho
  2. - 450g linguiças calabresa
  3. - 250g de bacon cortado em cubinhos pequenos
  4. - 1 cebola grande cortada em cubinhos
  5. - 5 dentes de alho picados miudinhos
  6. - 1 maço cheiro verde (metade de salsinha e metade de cebolinha)
  7. - 4 ovos
  8. - farinha de mandioca torrada, o quanto baste
  9. - sal e pimenta do reino à gosto
Instructions
  1. 1- Cortar as linguiças ao meio ao longo do seu comprimento e levar ao forno com o bacon já em cubinhos para assar e tirar a gordura por volta de 40 minutos. Escorra o óleo que saiu, e pique a linguiça em cubinhos pequenos e reserve. (não corte antes de assar para não ficar ressecada)
  2. 2- Cozinhar o feijão, com uma folha de louro, coberto por água na panela de pressão por cerca de 15 min (ele deve ficar cozido e firme e cozinha bem rápido, por isso é importante ficar atento).
  3. 3- Em uma panela grande, refogar a cebola em um pouco de óleo (pode-se utilizar um pouco da gordura do bacon que foi assado), acrescentar o alho. Refogar por mais 1 minuto.
  4. 4- Acrescentar a linguiça e o bacon já assados e picados em cubinhos. Em seguida, acrescentar o feijão já cozido (apenas os grãos sem o caldo). Misturar delicadamente para não quebrar os grãos.
  5. 5- Enquanto o feijão vai pegando o gosto das carnes, em uma frigideira, com um pouco de óleo (ou gordura do bacon), frite os ovos. Quando a clara começar a ficar firme, com a própria espatula, quebre-os. Teremos ovos mexidos, mas com pedaços de clara e gemas separados. Tempere com um pouco de sal.
  6. 6- Acrescente os ovos à mistura do feijão, teste o sal. Se for necessário, acrescente mais sal e pimenta, à seu gosto (eu adoro colocar pimenta dedo de moça picadinha também).
  7. 7- Por último, acrescentar a farinha e o cheiro verde.
  8. Servir imediatamente.
Notes
  1. Como falei, o feijão tropeiro pode ser um prato único. Mas sempre sirvo com acompanhamento. O mais perfeito para o feijão tropeiro, para mim, é uma couve bem fininha, refogada com alho, um ovo frito com gema mole e arroz branco.
  2. Bom apetite!!!
Adapted from Letícia Villela
Adapted from Letícia Villela
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/
 Bom apetite!!!

 

 

 

Encontro Gourmet: celebração à boa comida e a blogs muito especiais!

EG Baden Baden harmonizacao

Eg eu e Val

 

 No dia 20 de setembro, eu e Valéria Rúbio fizemos parte do maior encontro de blogueiros de gastronomia do Brasil: o III Encontro Gourmet.

Foi uma experiência pra lá de especial que gostaria de dividir com todos.

Antes de mais nada, a organização foi primorosa. Você podia perceber cuidado em cada detalhe, desde a recepção até os minutos finais. Registro aqui o meu muito obrigada à Sandra Reis (do blog Caldeirão da Bruxa Solar), Dani Abolin (do Blog CineBistrot) e Cecília Padilha (do blog Yes We Cook)

Encontro Gourmet 3

Eu fiquei arrasada porque tive que ir embora mais cedo pois minha filhota estava doente. Mas acompanhei tudo online – vantagens de estar com uma turma super plugada! – só não deu para receber o prêmio que fui sorteada…snif, mas c”est la vie!

O evento pela primeira vez aconteceu na Escola de Gastronomia da Estácio, em São Paulo. Mas parecia que o evento havia nascido para acontecer ali. As salas/cozinhas eram excelentes! E as oficinas, de arrasar… Fiquei com pena de não poder participar de todas.

Quem já viveu a rotina de organizar eventos sabe que para viabilizar um evento deste porte só foi possível graças também ao apoio de várias empresas que acreditam no profissionalismo e dedicação deste blogueiros.

Por isso, gostaria de abrir uma exceção aqui e dividir com vocês quais foram as empresas patrocinadoras do evento, que, levou seus lançamentos, nos presenteou algumas de suas delícias e trouxe profissionais para as ofinicas que nos ajudaram a aprimorar mais nossos conhecimentos e interesse pelo tema.

Ao longo deste post, vou citar alguns destaques para o nosso blog. Gostaria de deixar a homenagem e agradecimento à todas, que estão listadas aqui.  

Mas vamos deixar de conversa fiada e vamos ao que interessa: dividir com vocês um pouco sobre algumas das oficinas que fizemos e dos stands que visitamos.

Já na chegada fomos recebidos com um café da manhã delicioso. O destaque especial do Memórias ficou para os potinhoes de Melão Rei, aqueles da redinha e mais que docinhos. Afinal, uma boa frutinha era muito importante para começar o dia que prometia muita comida gostosa.

EG Banqueteria NacionalAo subirmos para a parte das oficinas, fomos “recebidos” por uma mesa maravilhosa da  “Banqueteria Nacional”.  Eles serviram algo super fácil de ser replicado em casa e extremamente saboroso. Foi uma Terrine de cream cheese e geléia de jabuticaba, salpicado com xerém de Castanhas do Pará,  rodeada por chips de caqui, banana e batata doce. Excepcional! O melhor petisco do evento. Já me deu água na boca, só de escrever.

DICA MÉMORIAS: Experimente fazer na sua casa, utilize 3 potinhos de cream cheese e a geléia de sua preferência. Em um bowl, forrado com papel filme suficiente para cobrí-lo, coloque o primeiro pote de cream cheese na primeira camada. Adicione outra camada generosa de geléia, e repita o processo até finalizar com uma última camada de cream cheese. Feche com o papel filme e leve à geladeiras por 3 horas. desenforme e sirva com os chips de sua preferência. Hoje em dia há várias opções de tubérculos desidratados nas zonas cerealistas das cidades. Experimente!

Por sinal, a chef Dani Padalino, resposável pela Banqueteria Nacional deu um show em sua oficina: Cozinhando às cegas. Uma super experiência, que vale a pena experimentar.

O stand dos famosos queijos do reino, Queijos Palmyra (ou Borboleta – ambos da mesma empresa)  remeteram-me à minha infância. Este era o queijo preferido da minha avó. Era presença online casino constante em sua casa. Este stand reativou muitas das minhas mémorias gastronômicas, literalmente…. Fiquei matutando receitas deliciosas para experimentar com ele… huuummm. Em breve, posto aqui. Não acreditei quando vi umalatinha dele entre meus brindes! Uhu!!!!

DICA MEMÓRIAS: Substitua o queijo prato ou muçarela de suas receitas por esta delícia. Você terá um toque a mais de sabor e cor!

O stand da Revista Casa e Comida estava super charmosa em clima de picnic, com um suspiro de pistache delicioso. Neste espaço, pudemos ver as novidades de outras empresas, como a Forno de Minas, Café Iguaçu, Camil, entre outros. E ainda pudemos nos refrescar com drinks não alcólicos, feitos com o chá FeelGood. Impressionante como temos possibilidades infinitas de drinks não alcólicos. Estavam bem saborosos. E fiquei empolgada em fazê-los na próxima tarde com a criançada.

Ainda tivemos outras delícias expostas, como vários queijos da Allfood. Todos especialmente ma-ara-vi-lho-sos! Mas aquele com nozes ganhou meu coração.

Drink de tomates cereja defumado do Class BarOutro destaque, na parte de bebidas, eram os drinks do Class Bar. ANIMAIS! Lindos e super saborosos. O stand parecia uma mesa de alquimia. Show na apresentação, desde o menu em tablets, passando pelo preparo e culminando no sabor! Deu vontade de fazer uma mega festa, só para chamá-los!

Na parte de doces,  o stand do Madame Formiga estava dando um show! Com seus tachos de brigadeiros. Eles arrasaram ainda mais no presentinho: um bolo no potinho divino!

DICA MEMÓRIAS: Se você não tem o Madame Formiga para sua festa, você pode fazer seus próprios bolos no potinho, mesclando pedacinhos de bolo e brigadeiro, alternando as camadas até completar o pote.

Ainda na parte dos doces, o Nake Cake da querida blogueira e amiga, Mari, do Delicious by Mari, estava de arrasar!

Na linha mais saudável, a confeitaria vegana Miriam dos Bolos mostrou a que veio, cheia de opções saudáveis e saborsas. E a Ariana com a sua A Casa Encantada, trazendo muita coisa saudável para o mercado de SP.

EG Cuisine du marcheA primeira oficina foi a Cuisine du Marche, ministrada pelo coordenador geral da gastronomia da Estácio, David Mansaud, foi uma delícia. Preparamos uma receita deliciosa e super leve, enaltecendo o frescor dos ingredientes frescos.

O destaque deste oficina, foi lembrar da importância de valorizar o sabor e frescor de cada ingrediente para que o resultado final surpreenda. É sempre bom lembrar que podemos fazer pratos incríveis com ingredientes simples.

DICA do Chef: Para realçar a cor e o sabor de cada ingrediente, trabalhe com fogo baixo, azeite para o início do refogado e, na sequência, acrescente bem aos pouquinhos, caldo de frango caseiro, fazendo uma deglaçagem. Assim, a gordura natural do caldo de frango, realça a cor dos legumes e dá um sabor especial.

 

EG Quinoa com legumes e pera

 

 

 

 

Ele preparou uma quinoa orgânica (sim, o sabor é diferente. é um pouco mais amarga) cozida al dente. Com legumes, deglaçados (processo que expliquei acima), peras picadinhas, temperados com sal, azeite, ervas frescas e limão. Sobre foram colocadas lâminas de beterraba, abóbora menina, nabo, aspargos e bulbo de erva doce. Acompanhando uma salada de alface orgânico.

De-li-ci-o-so!

 

 

EG3 Degustação Baden Baden

 

 

Depois tivemos que participar da harmonização da Baden Baden. Por sinal, eles arrasaram em seu stand. 
Impossível ficar longe deles por muito tempo… rsrsrs… Toda hora, eu ia visitá-los. A Baden de Trigo com toque de laranja e coentro foi a minha preferida (tive que degustá-la por algumas vezes para ter certeza disso \o/), mas a edição de 15 anos também merece destaque!

 

Adorei descobrir um espaço que eles criaram no seu site para você identificar a cerveja que mais harmoniza com seu prato, chama-se Experiência Gourmet. Mas nada de tabelinha trivial. Vc pode cadastrar os ingredientes utilizados, com suas intensidades e obter o resultado que melhor se adequa ao seu prato! Show de bola!E a oficina foi a oportunidade perfeira para harmonizar alguns pratos com cada tipo de cerveja e brindar o evento e os amigos! Bom demais da conta! Que venha o EG 4! Cheers!!!!

EG Baden Baden harmonizacao

 

 

Torta com massa de semente de girassol sem lactose e sem glúten, claro!

Visitamos ( Letícia e eu) a padaria Lilóri em São Paulo, especializada em produtos sem lactose, glúten e soja . Lugar aconchegante e  tudo muito gostoso.  Sai de lá cheia de ideias. 

No início da minha incursão pela culinária saudável profissional, foquei em alimentos sem glúten, testei muitas receitas e fiz vários cursos . E neste mundo das restrições, a busca pela textura, vai além do sabor.  Fui atrás de TODAS as farinhas sem glúten existentes no mercado: farinha de arroz, de amaranto, de grão de bico,  flocos de quinua, farinha de maracujá, de berinjela e por aí vai. O problema é que o glúten é que torna a massa elástica e claro, fazer um pão sem glúten com a mesma textura do de trigo, quase impossível. Peraí, nada é impossível!Lilóri chega lá!

Tenho uma amiga que faz uma dieta sem glúten, sem lactose e sem açúcar para o seu filho autista. Impressionante como o Juninho melhorou depois de poucos meses de dieta. Nós duas trocamos muitas receitas e principalmente dicas de uso de ingredientes mais fáceis de encontrar aqui no interior. E por isso, comecei a usar  farinha de milho, fubá, farinha de mandioca, o resultado é muito bom. Depois disso, parti para pesquisas mais generalizadas de alimentação saudável. E mesmo assim, num mundo que os cardápios com poucas opções, com pão francês e leite de manhã,  pizza de muçarela  no almoço e esfiha no jantar, conhecer opções sem glúten e sem lactose abre horizontes,  inclui sabores e nutrientes importantes.

 A semente de girassol é um ingrediente que vivo testando. Possui alto teor de vitamina B, é rica em gorduras poli-insaturadas (ômegas 3 e 6) e também contém vitaminas E e A. São fontes de cálcio, fósforo, potássio e magnésio.E além disso, fácil de achar!  E essa torta? Ficou ótima! Macia por dentro e crocante por fora. Sobremesa perfeita para uma visita vegana rs! Rápida e agrada a todos os paladares! 

Espero que gostem, como eu ! Beijo e até a semana!

 

 

 

Torta de massa de semente de girassol
Print
Ingredients
  1. 1 xícara de semente de girassol descascada
  2. 1 colher sopa de azeite de oliva extra virgem
  3. 100g de tofu firme orgânico
  4. 1/2 xícara de açúcar fit ( stévia+demerara)
  5. 6 colheres de sobremesa de geleia orgânica sem açúcar
  6. raspas de limão
Instructions
  1. Leve ao fogo baixíssimo (aquele que a chama fica quase invisível) a semente de girassol e o azeite. Assim que estiver ligeiramente dourado, desligue. Em um processador, depois de frias, processe bem a semente de girassol, até virar uma farinha. Acrescente o tofu e a açúcar fit. Assim que formar uma massa uniforme desligue. Em forminhas de silicone untadas com óleo ou azeite, coloque uma colher de sopa de massa, alise e alinhe. Leve ao forno preaquecido a 180º por aproximadamente 20 minutos. Retire delicadamente a massa e sirva com 1 colher de sopa de geleia e raspas de limão.
Notes
  1. Você pode substituir o açúcar fit por açúcar. A geleia pode ser substituída por qualquer recheio que a sua imaginação permitir ou o que tiver na geladeira rs.
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Creme de brócolis com ghee, conforme prometido!

Depois da repercussão do post passado, posso concluir sem medo de errar que o ghee é um sucesso rs! O legal é que o”ouro do leite” a maioria das pessoas pode consumir, com moderação, é claro! É uma gordura de origem animal, calórica, mas do bem rs!

Eu adoro o desafio de trabalhar com alimentos polêmicos, como berinjela, abobrinha e o brócolis pode ser colocado nesta lista. Pelo sabor e como o preparo tradicional é cozido, produz um odor pouco agradável e as pessoas não curtem tanto! Porém,  se refogado com ghee, o resultado é muito sabor.

O brócolis, além do seu elevado teor de cálcio,  estudos recentes relataram que contém um elemento fitoquímico que inibe o desenvolvimento da bactéria Helicobacter pylori (H Pylori) é a causa principal de gastrite e úlcera estomacal. Um santo remédio!

Esse creme de brócolis cai bem nestes dias de frio que daqui a pouco se despedirão, principalmente aqui no interior de São Paulo que só esfria um pouco quando o sul do Brasil neva ( um pouquinho de exagero rs, mas só um pouquinho)!

Se o seu ghee está pronto, dá pra fazer pro jantar!Bom apetite! E até semana que vem! 

Creme de Brócolis com ghee
Print
Ingredients
  1. 1 brócolis picado ( use os talos e folhas)
  2. 1 colher de sopa de ghee
  3. 1 cebola média em fatias
  4. 1 litro de caldo de legumes ou de frango
  5. sal a gosto
Instructions
  1. Em uma frigideira refoge a cebola no ghee até ficar transparente. Acrescente o brócolis e refogue por 5 minutos. Deixe esfriar. Liquidifique o brócolis, a cebola e o caldo. Ajuste o sal. O sabor é sensacional, eu garanto rs!
Notes
  1. Não tem caldo em casa? Prepare o seu: 1 e1/2 litros de água, sal, 1/2 cebola, 1/2 cenoura e 1 folha de couve leve ao fogo alto. Ao ferver, abaixe o fogo, deixe cozinhar por 15 minutos e desligue. Deixe esfriar com a panela tampada. Obs: talos e cascas também podem ser usados no caldo, assim diminuímos o desperdício na cozinha!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Nós também temos ghee!

Este é um post a quatro mãos! Essa foto linda foi feita pela Letícia! Fazer o ghee foi uma questão de honra pra nós rsrs!

O ghee é uma manteiga purificada ( como dizem os adeptos da a ayurveda ) que nada mais é que a manteiga sem caseína – proteína do leite. Descobri, estudando para este post, que a manteiga já tem uma quantidade insignificante de lactose.

 Todo mundo conhece alguém com intolerância a lactose/caseína! Minha irmã descobriu depois de muito sofrimento! Então, começou uma vida nova, uma vida sem leite e seus derivados. No caso da Viviane que tomava leite de manhã, comia queijo à tarde e iogurte à noite ( não necessariamente nesta ordem) não foi fácil não! Mas, dá pra viver sem lactose e caseína! E com prazer!

É necessário mudar hábitos! E ter algo pra substituir o que é proibido é um alento! Você pode substituir  qualquer gordura pelo ghee.  A culinária indiana e ayurveda usam muito. Dito “ouro do leite”,  ele é nutritivo (calórico), antioxidante (rejuvenescedor), elimina toxinas,  é levemente laxativo, emoliente e antiácido, porém, contra-indicado em caso de colesterol . Tem um sabor maravilhoso e é um ótimo óleo para cozinhar. Além de seu aroma refinado e sabor delicado, tem alto nível de resistência ao calor e não queima facilmente.  

Além de poder usá-lo no café da manhã, o grande drama de quem deve deixar os derivados do leite, com ele podemos saltear os legumes, usar em bolos, tortas que ganharão um sabor muito especial.

Se você não tem colesterol alto e intolerância alguma como eu , experimente, substitua as gorduras das receitas pelo ghee, você vai se surpreender! Na semana que vem darei uma receita de  de creme de brócolis delicioso, vá preparando o seu ghee! Beijo e até a próxima!

Ghee
Print
Ingredients
  1. 200 g de manteiga sem sal sem conservantes e aditivos
Instructions
  1. Coloque a manteiga na panela, de preferência, de vidro. Em fogo baixo, depois de derretida, começará a levantar uma espuma que deve ser delicadamente retirada. Um óleo translucido se separará de um camada branca ( a caseína e outras substâncias). Com muita paciência, retire as colheradas esse óleo e coe em filtro de papel, evitando a parte branca, pois ela passará pelo coador! Assim que o óleo estiver devidamente separado, acondicione em um vidro pré-higienizado. O óleo condensará e formará uma pasta amarelinha ( como na foto). Pode ser guardado fora da geladeira, mas eu guardo nela rs.
Notes
  1. É fácil de fazer, mas exige paciência. Existem marcas de manteiga sem conservantes e aditivos, fique de olho no rótulo. Se puder, use manteiga caseira, muito melhor!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/