Escondidinho de mandioquinha e shitake fresco!

Desculpe-me insistir com a mandioquinha (ou batata baroa ou batata salsa), mas é que eu adooorooo! E além disso, os nutricionistas dizem maravilhas desse tubérculo que tem o índice glicêmico menor que a mandioca. Pra quem é diabético ou que está de olho na balança é bom levar este índice em conta!

Apesar do escondidinho tradicional ser feito com mandioca e as versões sem carne terem quase sempre bastante queijo,  esse escondidinho não perde nada em sabor! E olha que tem um tiquinho de gordura!

Assisti um documentário outro dia, aliás recomendo chama-se Fat X Sugar, Gordura (carnes, manteigas e etc) versus Açúcar ( doces, carboidratos e etc) . São dois irmãos médicos gêmeos idênticos que em nome da ciência fizeram cada um , uma dieta com ênfase em um desses e evitando totalmente o outro e vice e versa, para descobrir o que faz mais mal. Pra resumir muuuito ( vale assistir mesmo, se você gosta do assunto), chegaram a conclusão que o grande perigo são os dois juntos, porque a mistura é incrivelmente palatável, engorda muito mais e prejudica ainda mais a saúde! Ahaha por isso que sorvete, mousse e os salgados, escondidinhos e lasanhas são quase uma unanimidade!

Pois é, por isso esta minha luta em provar que não precisa ter tanta gordura ou farinhas refinadas pra ser delicioso. E esse escondidinho é uma prova!É  Bom , muito bom, boníssimo!

Claro que não vamos abandonar a lasanha ou o escondidinho de carne seca, mas a gente pode deixar estes pratos para ocasiões especiais. Isto não quer dizer que o escondidinho de mandioquinha não deva ser servido em dias especiais, muito pelo contrário, depois que você experimentar, servirá no almoço de domingo e olha que para uma descendente de italianos, significa a glória total rs!

Espero realmente que aprovem! Beijo e até a próxima!

 

Escondidinho de mandioquinha e shitake
Print
Ingredients
  1. 1 kg de mandioquinha cozida
  2. 200g de shitake fresco cortados em fatias
  3. 1 cebola cortada em rodelas finas
  4. 1/4 de xícara de saquê
  5. 2 colheres de sopa de shoyo sem glutamato monossódico
  6. uma colher de chá de pimenta calabresa ou outra de sua preferência
  7. 2 colher de sopa de azeite de oliva extra virgem
  8. Sal
Instructions
  1. Cozinhe as mandioquinha, mas não as deixe desmanchar. Tempere com sal e o azeite e amasse até formar um purê firme ( será que isso existe rs). Em uma panela leve a cebola e refogue sem nenhum óleo. Acrescente o shitake, o saquê, o shoyo e a pimenta, deixe cozinhar por 5 minutos ou até o cogumelo ficar bem macio. Ajuste o sal, já que o shoyo sem glutamato não é muito salgado, ainda bem!
  2. Monte em um refratário uma camada com metade do purê, recheie com o cogumelo e cubra com o restante do purê. Se o purê estiver bem quente, nem precisa esquentar para servir.
Notes
  1. Dica importante: Não lave os cogumelos ( todos os cogumelos), limpe-os com um pano limpo ou papel e perceberá que o resultado depois é um cogumelo tenro, muito mais macio! Use a pimenta que preferir, mas a calabresa deve ser levada em consideração rs!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/