Amizade não tem idade, nem prazo. Só o momento certo!

Recebemos um outro texto, lindo, cheio de emoção e eu gostaria de tê-lo publicado na semana passada, mais especificamente no dia 29 de novembro para homenagear a autora, minha amiga Geisa, no dia do seu aniversário. Infelizmente não deu. Teve que ser hoje. E ao lê-lo novamente percebi como as amizades nascem sem nem mesmo tentar. É o curso da vida e este mistério é encantador!

“Conheci a Patrícia em uma situação inusitada e ao mesmo tempo inesquecível…
Estava trabalhando no tasting de um restaurante brasileiro que abriria aqui em Londres em 2007. Certo dia diante de todos os entulhos da construção e reforma do restaurante, com uma cozinha provisória no fundo da obra, vejo chegar esta moça… chiquérrima… com um casaco de frio preto, toda arrumada e com algumas sacolas da Harrod’s (para quem não conhece a mais famosa loja de departamento de Londres). Perguntou-me onde poderia encontrar o head chef. Indiquei o escritório e confesso que fiquei pensando no que uma moça tão chic estaria interessada no meio de tantos entulhos. Não nos vimos mais….

Muito tempo depois, na época em que o restaurante estava para abrir e todos os contratados vieram para fazer o tasting… quem eu vejo lá? A moça chic daquele dia frio e chuvoso! Na hora me lembrei dela. Confesso que ri sozinha… Ela estava lá procurando emprego, também! 

Não saberia dizer onde nasceu nossa amizade… e amizades verdadeiras não precisam ter data marcada, não é mesmo? Elas simplesmente acontecem com a “mão de Deus” e assim eu a e Paty (como comecei a chama-lá carinhosamente) nos tornamos grandes amigas. Um dia veio um almoço na casa dela, conheci ao Roberto e o Pedrinho, que tinha apenas um ano e pouco. No meio do delicioso almoço trocamos idéias, conversamos sobre comida, bolos, doces, o trabalho e a tarde foi curta para tudo.

Uma amiga incrível, que sempre me apoiou em todos os momentos em Londres. O restaurante que trabalhávamos fechou (infelizmente) mas a nossa amizade sobreviveu à sua ida para o México e agora com a ida para o Brasil (confesso que sou um pouco insistente com minhas verdadeiras amigas e sempre estou procurando saber notícias).

A melhor surpresa foi ela aparecer aqui em Londres neste ano. Estava trabalhando fora da cidade e ela foi lá me visitar. Tive uma tarde maravilhosa, tomamos uma cider deliciosa em um pub tipicamente inglês para ficar registrado este reencontro. É esta foto que estao vendo. 

Comemos muitas coisas deliciosas juntas… mas nehum momento será tão histórico como o nosso afternoon tea na Peggy Porschen… Delicioso! Segue a foto para você… e segue também a minha receita favorita para ficar registrada aqui. Neste momento as minhas “Memórias Gastronômicas” estão nos nossos encontros para tomar o chá da tarde na John Lewis.

Agora é final de ano… mais uma vez… e a gente fica mais sensível… sente saudade de casa e de todos os amigos especias… assim como você, amiga!

Quero apenas dizer o quanto você é especial e o quanto eu amo você! A saudade é sempre grande mas eu sei que posso contar contigo a qualquer momento.

“Nada simboliza mais Londres e os famosos chá da tarde do que o delicioso Victoria Sponge Cake. Uma vez que você experimentar um pedaço… vai querer mais!!! É o meu favourito… Simples e delicioso!”

 

 

Bolo Victoria Sponge para o chá das cinco

Este bolo é muito simples e fácil de fazer. Mas a qualidade dos ingredientes fará toda a diferença!

175 gr de açucar refinado

175 gr de manteiga ou margarina para bolo

175 gr de farinha de trigo

1 colher de chá de fermento químico

175 gr de ovos (isso equivale a aproximadamente 3 ovos grandes sem considerar a casca)

1 baunilha  ou 1 colher de chá de extrato de baunilha

300 ml de creme de leite fresco

150 gr de açucar de confeiteiro

geléia de morango, o quanto baste.

 

Pré aqueça o forno a temperatura média, 180 graus. Unte duas formas para bolo de 20 cm com manteiga e farinha de trigo.

Na batedeira bata a manteiga e o açucar até obter um creme claro e homogêneo. Acrescente as sementes de baunilha e os ovos, um a um, até misturar bem.  Em velocidade baixa adicione a farinha e o fermento, uma colher por vez.

Despeje a massa nas duas assadeiras e asse por 25 minutos ou até dourar. Faça o teste do palito. Deixe esfriar sobre uma gradinha.

Bata o creme de leite com o açucar de confeiteiro em ponto de chantilly

Quando o bolo estiver frio, coloque na travessa em que vai servir um dos bolos e uma camada da geléia e por cima o chantilly . Coloque o outro bolo em cima mas não pressione muito. Para decorar somente açucar de confeiteiro. Para saborear este bolo nada melhor do que uma xícara de chá. Simples assim!!

 

Feliz Dia de Ser Feliz!

Este post não tem receita. Ou melhor, tem sim. Uma receita de amor, carinho e de uma amizade sem fim. A minha querida amiga Lulu, aquela que mandou a Receita de Rosbife fez este bolo com suas filhas e maridos e não poderia ter sido uma tarde mais divertida e saborosa.

Aproveite você, também, e brinque de ser criança outra vez!

“Bolo Tobogã (Serve quantos quiserem comer)  

A receita básica é o nega maluca…bater tudo na mão, fazendo bastante sujeira….não esquecer de colocar um pouco de bolo cru no nariz do papai ou da mamãe enquanto bate a massa….

Depois de assado (as crianças devem ficar longe do forno), cobrir o bolo com tudo o que você mais gostar: confete, confeito, muitas velas, chantily, brigadeiro mole, nutela….tudo junto e misturado!!!!

Aí é só chamar todos os bonecos e cantar parabéns, mesmo se não for aniversário de ninguém!!! Bom apetite!!!”

Ah! E de lambuja ela escreveu esta outra receita:
Receita de Felicidade (Toquinho)

 

Pegue uns pedacinhos de afeto e de ilusão;
Misture com um pouquinho de amizade;
Junte com carinho uma pontinha de paixão
E uma pitadinha de saudade.
Pegue o dom divino maternal de uma mulher
E um sorriso limpo de criança;
Junte a ingenuidade de um primeiro amor qualquer
Com o eterno brilho da esperança.
Peça emprestada a ternura de um casal
E a luz da estrada dos que amam pra valer;
Tenha sempre muito amor,
Que o amor nunca faz mal.
Pinte a vida com o arco-íris do prazer;
Sonhe, pois sonhar ainda é fundamental
E um sonho sempre pode acontecer.

O Rosbife da Lulu

Minhas grandes amigas estão em São Paulo. Não são amigas de infância mas são as melhores que eu poderia ter em toda a minha vida! O mais engraçado é que todas começamos como colegas de trabalho e viramos um grupo maravilhoso, super unido e querido. No começo a única coisa que tinhamos em comum era nossa profissão, nosso trabalho. E aos poucos fomos descobrindo como éramos diferentes, mas tão similares. Como gostávamos de coisas tão diferentes e como isso nos atraía!

Hoje somos (eu remotamente) um grupo delicioso que comparte momentos felizes, tristes, importantes, insignificantes… Somos as Lulus! E pensar que tudo começou com um casamento quase desfeito! Um consolo a uma amiga que quase foi abandonada no altar por seu futuro esposo. Nos reunímos para consolar a pobre da Ritinha que, prestes a se casar, tinha recebido um pedido de “tempo” do noivo. Tristeza para uns, felicidae para outros! E vimos como era bom estarmos juntas, com uma garrafa de Chianti (era o nosso vinho preferido na época!) e pizza do disk-pizza! O importante era sentir o abraço e o calor daquelas amigas queridas!

E com o tempo fomos convidando outras amigas para se juntarem a nós. O grupo cresceu, se modificou, a Ritinha se casou e se mudou… E percebemos que as Lulus de hoje são realmente as amigas que um dia eram apenas colegas de trabalho. Deste grupo saiu a madrinha do meu filho! O meu coração não poderia ser mais feliz e maior para acolhê-las aqui dentro!

Cada vez que vou a São Paulo não deixo de vê-las. É como se eu fosse a Londres e não visitasse o Big Ben, não tomasse uma Guiness comendo uma Shepherd’s Pie. Ficaria um vazio!

E foi numa destas visitas que nos reunimos na casa da Lulu e ela preparou um dos Rosbifes mais deliciosos que já comi na minha vida. Perfeito! Ou seria o momento? Não importa! Esta é uma receita que não poderia faltar aqui do lado esquerdo do peito! E vou postá-la exatamento como recebi pelo e-mail. Faz muito mais sentido. Está cheia de amor e carinho. E foi escrita para mim! Sintam-se queridos, também pois agora comparto com vocês!

“Bem o rosbife é bem simples, segue a receita.

Um beijão e minhas saudades!

************
Ingredientes e modo de preparo:

1. Uma peça de filet mignon, temperado com sal e pimenta do reino
2. Na panela de pressão aberta colocar duas colheres generosas de manteiga
(se gostarem de muito caldo pode colocar mais), uma colherzinha de açucar e
umas duas folhas de louro (fogo alto)

Quando a manteiga estiver derretida, colocar o filet e deixar dourar lado
por lado, mexendo o mínimo possível

Quando estiver dourado por fora (com casquinha), desligar o fogo e fechar a
tampa da panela de pressão por 10 a 15 minutos.

Importante: a carne fica melhor se não estiver fria e se for temperada pelo
menos uma meia hora antes de ir ao fogo.

Bom apetite!!!”

Se eu não estiver por aqui, procure-me na cozinha! AKA – Cozinhando para celebrar

Confesso que sumi! (Ainda bem que tem a minha maravilhosa amiga, comadre, companheira de blog, prá alimentar as vossas almas)

Acreditem se quiser que ainda estou na novela – quase mexicana – de procura de casa. Já vejo até o capítulo de abertura onde Maria Guadalupe e José Miguel buscam insessantemente um lar para cuidar do pequeno rebento que acaba de nascer!… Bendita hora que resolvi mudar de casa achando que o mercado estava aquecido. Bem, está. Mas acho que ainda não chegou a minha vez. E já ouvi tant0: “Quem espera sempre alcança”, “O que é do homem o bicho num come”, ” Deixe nas mãos de Deus” que resolvi deixar mesmo nas mãos dEle e aproveitar meu “tempo livre” para voltar ao o trabalho. Assim continuaria sumida, mesmo!!! Mas desta vez era fácil me encontrar: na cozinha!

Esta semana cozinhei para celebrar. Foram 3 jantares maravilhosos. Um deles, um aniversário que foi um arraso! 3 da manhã e a turma, já super bem alimentada (!), não saia da pista de dança nem com reza braba! Adoro quando cozinho para celebrar. Na verdade, acho que sempre que cozinho estou celebrando algo. Pelo menos a minha oportunidade de cozinhar!!

Um dos outros jantares foi para uma amiga e excelente cliente que conheci aqui no México. É incrível como o tempo vai passando e a cada dia uma surpresa nova aparece na nossa porta! E esta amiga, para celebrar a amizade ofereceu um almoço para seis ladies who lunch regado a muita champagne, besteirol, fotos e um frango ao curry que estava divino! Eu já disse prá ela que não sei porque ela me contrata tanto para preparar seus jantares. Espero que ela não leia este post. Acho um tanto quanto remota esta possibilidade. Além de tudo ela é seguidora assídua do blog e a mais nova detentora de um Thermomix. Xiiiii. Agora acho que perdi o emprego, mesmo!!!

Frango ao Curry by AP (Serve 6)

1 frango (aproximadamente 1,2 kg) sem pele e cortado em pedaços.

2 a 3 cebolas médias picadas

3 colheres de sobremesa de genjibre fresco e ralado

5 dentes de alho picados

4 tomates médios picados

2 chiles verdes picados

3 colheres de sopa de óleo de canola

Sal a gosto

1 litro de água

2 colheres de sopa de coentro fesco picado

2 folhas de louro

2 sementes de cardamomo negro

4 sementes de cardamomo verde

2 paus de canela

4 cravos da índia

1 colher de chá de pimenta preta inteira

2 colheres de cha de cominho moído

1 colher de chá de coentro moído

1 colher de chá de garam masala *

1 colher de chá de pimenta chili moída

1 colher de chá de açafrão da terra ou cúrcuma

Lave a limpe o frango. Reserve.

Aqueça o óleo em uma panela de fundo grosso. Adicione a cebola e todas as especiarias inteiras – não as moídas! e frite até a cebola começar a ganhar um tom translucido, aproximadamente 5 minutos.

Adicione o alho, gengibre e continue refogando, sempre mexendo até a cebola estar dourada. Adicione o frango e as especiarias moídas, exceto o garam masala. Frite o frango até que esteja bem dourado e coberto por todas as especiarias.

Agregue os tomates e o chilli e cozinhe por 15 minutos em fogo lento. Adicione a éagua, garam masala e o coentro e deixe cozinhar por 10 minutos até que o frango esteja cozido e o caldo tenha espessado.

Sirva com arroz com grãos de cominho e naan.

*garam masala é uma mescla de especiarias muito usada na cozinha indiana. A composição varia de região para região, havendo uma grande variedade por toda a Índia. Alguns dos ingredientes mais comuns são grãos de pimenta preta e branca, cravo, louru, cominho, sementes de cominho, canela, cardamomo,  noz-moscada e sementes de coentro.