Natal à brasileira com sobremesa de cupuaçu!

Creme de Cupuaçu com castanha do para Natal

É Nataaal!!!!

Creme de Cupuaçu com castanha do para Natal

 

 Sabe quando os dias já tem cheirinho de natal? Aqui em casa (ato falho: na casa dos meus pais) já está neste clima. Todos mais festivos, mais animados, mais amorosos. Da cozinha, vem aromas que me fazem viajar em minhas memórias. Encontros com os amigos, visita à familiares. Tudo me faz ter um fascínio especial por este período. Estar em Belo Horizonte me encanta mais ainda. Engraçado como estranhamente no meu coração tenho certeza que não volto a morar aqui, mas me sinto revigorada a cada volta. São as montanhas…

E sempre falta tempo.

Pela primeira vez na minha vida, não passarei o Natal aqui. É estranho. Quebra de paradigmas. Sou piegas. Achei estranho. Mas será bom. : /

Por sorte – foi mais por coincidência que por juízo – conseguimos nos reunir neste fim de semana anterior. Foi um Natal antecipado.

Uai! Tá ficando bom: 2 Natais em uma semana. Troca de presentes, piadinhas sem graça, e uma bela ceia. Tudo como deve ser.

Quem diria… não foi desta vez que não tive Natal em BH. Tive, mesmo que na data errada.

Para brindar esta época tão especial, divido com você a sobremesa que servimos neste encontro. Algo bem brasileiro e delicioso: Creme de Cupuaçu com Castanhas do Pará. Ouse. MUde. Quebre seus paradigmas. Mas não mude a essência. Não mude data do Natal, faça esta sobremesa! : D

Boas festas!!!

Creme (ou sorvete) de Cupuaçu com Castanhas do Pará
Print
Ingredients
  1. - 5 pacotinhos de polpa de cupuaçu
  2. - 1 xícara de açúcar
  3. - 2 latas de leite condensado
  4. - 3 latas de creme de leite sem soro
  5. - 100g de castanha-do-pará picadas finamente
Instructions
  1. 1- Colocar a polpa e o açúcar em uma panela e levar ao fogo brando para cozinhar por cerca de 20 minutos até soltar da panela como brigadeiro mole. Ele fica com o tom levemente dourado. Colocar para esfriar.
  2. 2- Despejar o leite condensado e creme de leite em uma batedeira ou liquidificador. Acrescentar o doce de cupuaçu já frio. E bater até ficar um creme firme.
  3. 3- Despejar na vasilha que você servirá e salpicar castanha-do-pará.
  4. 4- Levar à geladeira até a hora de servir.
Notes
  1. 1- Você pode utilizar o doce de cupuaçu já pronto se for fácil em sua região.
  2. 2- Você pode aumentar a quantidade de castanhas-do-pará e alternar as camadas: doce, castanha, doce, castanha. Vasilhas individuais dão um charme especial.
  3. 3- Neste calor, leve este creme ao congelador. Ele virará um sorvete especial!
Adapted from Receita da D. Alfa, vizinha da minha mãe em BH
Adapted from Receita da D. Alfa, vizinha da minha mãe em BH
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Como eu gosto de Feijão Tropeiro!

Feijao tropeiro

Feijao tropeiro jpegBom dia!!! Hoje é sexta-feita e já estou em ritmo de fim de semana! 

Não sei como demorei tanto tempo para escrever esta receita. Talvez porque seja tão comum fazer feijão tropeiro lá em casa, que sempre deixava para a próxima postagem.

Esta foto mesma foi feita às pressas, antes que todos atacassem…

Sempre que chegamos em BH, somos recepcionados com um tropeirinho, quer seja feito em casa, quer seja o do Mercado Central (recomendo muuuito!). O prato é tão amado pelos mineiros que é a atração gastronômica até no Mineirão, nosso principal estádio de futebol. É… feijão tropeiro e futebol, combinam! 

Mas nem preciso dizer que o da minha mãe é o melhor da cidade, né?

NOTA: Mineiro é meio italiano até nisso, os pratos da mãe são sempre os melhores e não discuta isso! Mas te juro que o da minha mãe é o melhor da cidade.. talvez do mundo… quiçá do universo!

Enfim, é uma vergonha ele não fazer parte do Memórias ainda. Então, “bora” corrigir este erro!

Este prato é de fácil preparo e pode ser um prato único ou pode ser acompanhado de uma couvinha refogada, arroz branco e o ovo frito (o meu com gema mole, por favor.).

Feijão Tropeiro da D. Eloíza
Print
Ingredients
  1. - 500g de feijão vermelho
  2. - 450g linguiças calabresa
  3. - 250g de bacon cortado em cubinhos pequenos
  4. - 1 cebola grande cortada em cubinhos
  5. - 5 dentes de alho picados miudinhos
  6. - 1 maço cheiro verde (metade de salsinha e metade de cebolinha)
  7. - 4 ovos
  8. - farinha de mandioca torrada, o quanto baste
  9. - sal e pimenta do reino à gosto
Instructions
  1. 1- Cortar as linguiças ao meio ao longo do seu comprimento e levar ao forno com o bacon já em cubinhos para assar e tirar a gordura por volta de 40 minutos. Escorra o óleo que saiu, e pique a linguiça em cubinhos pequenos e reserve. (não corte antes de assar para não ficar ressecada)
  2. 2- Cozinhar o feijão, com uma folha de louro, coberto por água na panela de pressão por cerca de 15 min (ele deve ficar cozido e firme e cozinha bem rápido, por isso é importante ficar atento).
  3. 3- Em uma panela grande, refogar a cebola em um pouco de óleo (pode-se utilizar um pouco da gordura do bacon que foi assado), acrescentar o alho. Refogar por mais 1 minuto.
  4. 4- Acrescentar a linguiça e o bacon já assados e picados em cubinhos. Em seguida, acrescentar o feijão já cozido (apenas os grãos sem o caldo). Misturar delicadamente para não quebrar os grãos.
  5. 5- Enquanto o feijão vai pegando o gosto das carnes, em uma frigideira, com um pouco de óleo (ou gordura do bacon), frite os ovos. Quando a clara começar a ficar firme, com a própria espatula, quebre-os. Teremos ovos mexidos, mas com pedaços de clara e gemas separados. Tempere com um pouco de sal.
  6. 6- Acrescente os ovos à mistura do feijão, teste o sal. Se for necessário, acrescente mais sal e pimenta, à seu gosto (eu adoro colocar pimenta dedo de moça picadinha também).
  7. 7- Por último, acrescentar a farinha e o cheiro verde.
  8. Servir imediatamente.
Notes
  1. Como falei, o feijão tropeiro pode ser um prato único. Mas sempre sirvo com acompanhamento. O mais perfeito para o feijão tropeiro, para mim, é uma couve bem fininha, refogada com alho, um ovo frito com gema mole e arroz branco.
  2. Bom apetite!!!
Adapted from Letícia Villela
Adapted from Letícia Villela
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/
 Bom apetite!!!

 

 

 

Um (pedacinho) pecadinho de bolo de mandioca com côco

bolo

Nos últimos dias, andei testando várias receitas para um trabalho super especial que surgiu…

Aí, entre uma receita e outra, bateu um desejo de fazer um bolo que amo, mas siceramente, apesar das minhas raízes, nunca tinha feito. Só que ele tinha tudo a ver com o projeto: bolo de mandioca (como boa mineira ou aipim) com côco. Pedi para minha mãe a receita dela e fui testar… Na verdade, existem várias formas de fazer este bolo. Nos próximos dias, testarei outras e comento aqui.

A hora de fazer foi  uma novela a parte, pois não tinha um prato fundo daquele das antigas, tive que bater na porta da vizinha, qua acabou presentada com um dos testes… então, para facilitar a sua vida, medi as porções e coloco as duas opções de receita. Lembro que este bolo não é fofinho, aerado como os outros. É mais compacto por causa da mandioca. Mas tem uma liga, um sabor… huuuuummmm! Me acabei no bolo, acompanhado de um bom café coado… e assim virou mais uma história de um pedacinho que virou pecadinho…

Receita de Bolo de Mandioca com Côco – receita da D. Eloíza

– 1 prato fundo, cheio atá a borda,  de  côco fresco  ralado – isso dá cerca de 200g. Se vc preferir o côco seco, coloque-o de molho em 2 garrafas de leite de côco para hidratar por cerca de 30 min e depois pese.

–  1 prato fundo, pelo friso, de mandioca ralada, grosseiramente – cerca de 480g

– 1 xícara  e meia  de  açúcar – eu diminuí um pouco o açúcar. Pus só 1 xícara, gostei. Ficou equilibrado. Mas para quem ama açúcar pode ter ficado sem graça. – equivalência de xícara, veja no nosso “Pesos e Medidas”.

– 1  xícara  de queijo meia cura

– 4 ovos, sendo as claras em neve

– 1/2 copo de óleo ou 2 colheres de manteiga – usei a manteiga

– 1  colher (sobremesa) de canela – não pus

– 1 pitada de sal

– 1 colher (sopa rasa) de fermento

Modo de preparo:

1-Préaquecer o forno a 180 graus.

2- Misturar todos os ingredientes, menos as claras.

3- Acrescentar as claras em neve e colocar em forma untada.

4- Levar ao forno a 180 graus e quando  crescer, abaixar para 160 até dourar.

Dias frios aquecidos com a ambrosia da vó Nhá.

Ambrosia

AmbrosiaComo passaram o Dia das Mães? Espero que com tanto carinho como eu. É tão bom ser paparicada né?

Aqui, em Curitiba, começou o friozinho…

[Nota mental – Definitivamente preciso me organizar melhor, o tempo está voando e eu não consigo fazer tudo que me proponho]. Mil idéias na cabeça e pouco tempo para executá-las! Acho que o negócio vai ser largar os doces de lado e abrir uma fábrica de idéias… Surtos à parte, como fiquei muito envolvida com as produções da Dorothy nos últimos tempos, acabo ficando muito tempo sem beber a água das Minas Gerais e isso me faz muita falta.

Então, resolvi matar a saudade vasculhando os cadernos de receitas… sei que não é a mesma coisa de comer aquele prato feito especialmente pela sua mãe especialmente para você, mas não foi nada mal!

Escolhi uma receita da minha avó, que minha mãe e tias contam ter sido uma cozinheira e principalmente doceira de mão cheia. [Mais nota mental: Será que foi dela que herdei este interesse pelos doces???]. Infelizmente, não tive o prazer de conhecê-la, por isso, fico só com os casos e com algumas das suas deliciosas receitas muito bem executadas por minha mãe ( o dia das mães já passou, mas o paparico continua aqui…).

Mas voltando à receita, a eleita, foi uma bem mineira e, por incrível que pareça, fácil de fazer. Eu tinha uma fantasia que fazer ambrosia era difícil. Na verdade, tem seus truques, mas realmente não é difícil. Tentem e contem-me.

 

Receita de Ambrosia da Vovó Nhá

– 1 litro de leite

– 240g de açúcar

– 250 ml de suco de laranja

– 6 ovos

– 2 cravos e 1 pauzinho de canela

– casca de um limão

 

Modo de Preparo:

1- Em uma panela, coloque o leite para ferver com o açúcar, pau de canela, cravos e casca de um limão.

2- Quando levantar fervura, colocar o suco de laranja. Ele talhará.

3- Enquanto levanta fervura novamente, em uma tigela à parte, coloque os ovos e os misture com um garfo.

4- Assim que começar a ferver, acrescente os ovos, mas não mexa neste momento (este é o pulo do gato).

5- Com uma colher grande ou concha, vire cuidadosamente a calda que está na panela sobre os ovos para que ele cozinhe. Mas não misture até que ele cozinhe por completo, assim, seus pedaços ficarão maiores.

6- Quando os ovos já estiverem cozidos, pode partí-los na panela mesmo com a ajuda da colher.

7- Abaixe o fogo e deixe cozinhar até formar uma calda grossa e cor levemente dourada. Deixe esfriar e leve-o para geladeira até a hora de servir.

Bom demais da conta!

 

 

Alguém já viu cabeça de bacalhau? Não importa!

Ando sumida pois o trabalho está me consumindo. Tenho feito um evento, no mínimo, por semana o que me deixa ocupada e presa na minha cozinha, longe do computador e da vida social…

Mas isso é bom já que meu sacrifício de Quaresma este ano foi deixar de acessar o Facebook durante os quarenta dias de penitência. Estava viciada e “fofoqueira”!!!

Um desses trabalhos é um evento de comidinhas de boteco que vou preparar para comemorar os 40 anos de uma amiga. Imagine só a responsabilidade dessa “degustação” onde a maioria dos convidados são mexicanos. Ay caramba!

Pensando no cardápio me ocorreu preparar bolinhos de bacalhau já que nesta época a oferta de bacalhau é abundante, estão em excelente qualidade e a bom preço.

E me lembrei de uma receita que é maravilhosa por si só e uns pequenos ajustes (!) a deixaram maravilhosa. Esta receita foi publicada no blog de Saul Galvão em 2007. Nunca mais esqueci, mas a preparei poucas vezes. E cada vez achava que precisava de algo mais apesar se ser perfeita! Até está versão final, que divido com voces e deixo todo mundo a vontade para acrescentar a uma pitaca!

Bolinhos de bacalhau de Maria de Lourdes Modesto por Saul Galvão com minhas pitacas.

250 gramas de bacalhau;

1 litro de leite;

2 folhas de louro seco

200 gramas de batata;

½ cebola picada bem miudinha;

1 colher de sopa de salsinha picada;

1 colher de sopa de ciboulette picada;

1 cálice pequeno de vinho do Porto;

3 ou 4 ovos;

noz-moscada ralada na hora, o quanto baste;

sal e pimenta-do-reino, o quanto baste;

1/4 de xícaras de azeitonas pretas picadas;

azeite de oliva para fritar.

Dessalgue o bacalhau com bastante antecedência. Se não for muito espessa a posta, 48 horas trocando a água muitas vezes, a cada 2 horas. É bom manter o bacalhau na geladeira.

Cozinhe o bacalhau dessalgado no leite e folhas de louro. Retire as eventuais espinhas e a pele. Desfie o bacalhau. Eu gosto de deixar pedaços um pouco grande para sentir a textura do bacalhau.

Descasque e cozinhe as batatas. Esprema as batatas ainda quente formando um purê. Eu ainda passo na peneira pois gosto da batata bem lisinha.

Coloque o bacalhau e o purê de batata numa vasilha. Junte a cebola picada, o vinho do Porto, a salsinha, a ciboulette e as azeitonas. Tempere com noz moscada, sal e pimenta.

Vá misturando a preparação com as mãos e colocando os ovos, um a um até conseguir uma massa homogênea. A quantidade vai depender do tamanho dos ovos e da quantidade de água que tenha absorvido as batatas no cozimento.

Molde os bolinhos com duas colheres formando queneles. Frite em abundante azeite de oliva bem quente.