Feliz Dia das Mães e uma receita de Camarão para comer ajoelhada!!!

Camarão empanado com Coco

Camarão empanado com CocoEsta história de mudança é sempre corrida…acaba falando tempo para fazermos coisas que adoramos. Mas aos poucos, a vida vai entrando num ritmo mais normal… ainda estou em um quarto de hotel com as meninas e meu marido com o caos instalado e pouco tempo e espaço (nenhum na verdade) para cozinhar… 

Com esta história, se não fosse a Valéria, o Blog estaria abandonadinho. Mas nos desdobramos em várias, literamente, para uma poder cobrir a outra e para que consigamos escrever e administrar as funções de mãe, mulher, profissional, amante e foodlover!!!!

Por isso, hoje resolvi ligar o computador às 3h da manhã (pós acordada da minha filha de 7 meses que está com dentinho nascendo…) para escrever este post aqui.

Antes de mais nada, FELIZ DIA DAS MÃES!!!!!!!!!!!!!!!! Tenho que render homenagem à minha mãe, minha inspiração, referência e apoio, minha sogra, parceira de muitos momentos especiais,  mãe que ganhei de presente pela vida. Ambas nosso apoio em momentos críticos! Vocês são heroínas!!!! E à minhas filhas que me permitiram apreender o que é ser mãe. Tem que viver… não dá para explicar. Merci!

Deixo aqui uma receita super fácil mas de sabor incrível! Quem sabe os filhos de plantão não resolvem fazer rapidinho para surpreender sua mãe.

Camarão Empanado com Coco
Print
Ingredients
  1. - 800g de camarão grande descascado (apenas com rabinho) e limpo.
  2. - 1 limão
  3. - 3 ovos ligeiramente batidos
  4. - 1 xícara de farinha de trigo (para quem tem intolerância a glúten, pode substituir por fécula de batata, amido de milho)
  5. - 250g de coco seco em flocos, sem açúcar
  6. - sal e pimenta à gosto
  7. - óleo da sua preferência para fritar (o óleo de coco dá um toque especial!)
Instructions
  1. Pegar o camarão, passar em água corrente rapidamente (se ele não estiver limpo, retirar casca e aquele fiozinho preto - o intestino dele). Temperá-lo com limão, sal e pimenta. Reservar.
  2. Separar 3 vasilhas. Colocar os ovos levemente batidos com um pouquinho de sal e pimenta em uma vasilha. Em outra, colocar a farinha de trigo temperada com sal e pimenta. Na terceira, colocar o coco em flocos.
Pegar cada camarão pelo rabinho e empane da seguinte forma
  1. 1- Passe-o pelos ovos, escorra o excesso.
  2. 2- Passe-o (já coberto pelos ovos) pela farinha.
  3. 3- Passe-o pelos ovos novamente e retire o excesso.
  4. 4- Passe-o pelo coco. Reserve e um prato.
  5. Enquanto finaliza este processo, aqueça o óleo. Quando estiver quente, colocá-lo cuidadosamente o camarão na panela e deixe-o dourar.
  6. Voilá! Sirva quente!!!
  7. Nesta foto, servi como acompanhamento em um prato que tinha moqueca de camarão e arroz branco.
  8. Mas adoro serví-lo sozinho. Para acompanhá-lo, faço uma calda rápida de alguma fruta mais azedinha (tamarindo, pitanga funcionam super bem).
  9. Para a calda: 1 xícara de polpa da fruta e 1/2 xícara de açúcar.
Notes
  1. Não é o camarão pistola, mas se quiser fazer com ele, calcule cerca de 3 por pessoa. Pode-se fazer com o camarão menor também, tudo depende de quanto pode gastar.
  2. Você pode fazê-lo naquelas máquinas que fritam sem óleo.
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

 

 

Camarão na abóbora para celebrar a vida!

Camarão na Abóbora

Camarão na AbóboraOs últimos dias foram difíceis, de surpresas desagradáveis, mas de aprendizado enorme (momento pollyana). O que tirei de mais importante dos acontecimentos deste período foi realmente temos que aproveitar a nossa existência ao máximo e não deixar que as horas, dias, semanas se percam na loucura do dia-a-dia. Quero sempre me questionar, tipo pesquisa de revista: o que eu fiz nas últimas 24 horas valeu a pena? Foi inesquecível? Se na maior parte dos dias a resposta for sim, ótimo! Se não, “bora” rever isso aí!

Pós avalanche, veio a alegria! Hoje, celebramos os 80 anos de vida do meu pai. Uma data como esta não podia deixar passar em branco. E para comemorar e paparicá-lo muito, em primeiro lugar, importei a família pra cá. Com todos reunidos, restava pensar no menu (casa de ferreiro, espeto de pau – tudo sendo feito na correria…). Resposta do meu pai foi imediata: camarão na abóbora e bolo de côco.

Correria para preparar tudo, divisão de tarefas feita… mãos à obra! Ufa! Deu tempo para curtir todo mundo…

Para surpresa de todos, não fui eu que fiz a sobremesa. Minha sobrinha se ofereceu para fazer o bolo, segundo ela, o mais fácil do mundo – depois posto a receita aqui! E para mim, sobrou o camarão na abóbora… hummmm… ficou bom demais!

Divido aqui a receita e o desejo que tenhamos ainda muitos mais aniversários para comemorar a vida e reunir a família e amigos! Cheers!

Receita de Camarão na Abóbora (serve 10 pessoas)

– 1 abóbora de mesa (aquelas tipo haloween) inteira

– 1,5 kg de camarão graúdo sem casca

– 8 camarões graúdos com casca para enfeitar

– suco de 2 limões

– 6 tomates pomodoro

– 1 cebola grande picada

– 2 dentes de alho

– 1 xícara de molho de tomate

– 200 ml de leite de côco

– 200g de catupiry ou requeijão cremoso

– cheiro verde a gosto

– azeite de dendê a gosto

– sal e pimenta a gosto

– 3 colheres de sopa de farinha de trigo

-óleo de canola suficente para untar a abóbora

 

Modo de Preparo:

1- Cortar a tampa da abóbora (fica mais bonita se cortar em zigue-zague). Retirar toda a semente, deixando a sua cavidade limpa mas com sua polpa.

2- Passar óleo em toda sua casca, inclusive na tampa. Levar ao forno já pré-aquecido a 225 graus até a moranga ficar ao dente (teste colocando um garfo em sua polpa. Se afundar, ams ainda tiver um pouco de resistência é o ponto). Reserve.

3- Limpe o camarão sem casca, fazendo um corte leve na sua curva exterior e interior e retirando os fios pretos (intestino). Colocar o suco 1 limão e sal para temperar. Reservar.

4- Temperar o camarão com casca da mesmo forma. Reservar.

5- Picar a cebola e alho em cubinhos miudinhos. Reservar

6- Retirar a semente do tomate e bater com um pouco de água. Reservá-la junto com o molho de tomate. Cortar o restante dos tomates em cubinhos miúdos. Reservar.

7- Em uma panela grande, colocar o azeite de dendê, refogar a cebola. Quando estiver transparente, acrescentar o alho. Em seguida, o tomate. Após cerca de 3 minutos, acrescentar o sal, a pimenta e a farinha de trigo e mexer. Acrescentar o molho de tomate, deixar levantar fervura, mexendo sempre. Acrescentar o leite de côco.

8- Por último, acrescentar o camarão sem casca e misturar rapidamente. Testar e ajustar o tempero. Se estiver com muito caldo, acrescentar mais farinha de trigo torrada. Desligar a panela com o camarão, ainda parcialmente cozido. Acrescentar o cheiro verde, reservando um pouco para enfeitar na hora de servir. Colocar a mistura na abóbora, acrescentar o requeijão e legar ao forno já quente até começar a fazer borbulhas.

9- Enquanto isso, em uma frigideira com um pouco de azeite de dendê, refogar o camarão com casca até ficar rosa.

10- Na hora de servir, salpicar o cheiro verde e enfeitar com o camarão com casca.

Bom apetite!

 

Dia dos Pais com Paella

A vida está cada vez mais corrida. Domingo é Dia dos Pais no Brasil e nem deu tempo de preparar um menu bacana como fizemos no ano passado. Nossa! Já passou um ano?? Num falei que a vida está Fast and Furious!!!

Mas o que seria de nossas vidas se não fossem as boas amigas? Fui surpreendida por uma deliciosa mensagem da minha querida amiga Ana Lucia, aquela que me segue por todas as viagens e que já passou por aqui, pedindo uma receita de paella. O mais legal disso tudo é que a Ana não prepara nem um ovo frito (!) e decidiu preparar uma paella para seu pai neste domingo! Fiquei super feliz em imaginar que o nosso blog está causando este efeito nas pessoas! É o máximo!

Esta receita tem o nome de Paella Celebração e achei perfeita para a data!  Fiz algumas adaptações pois ela me pediu uma Paella de frutos do mar. Mas quem quiser acrescentar frango, linguiça, pato, coelho é muito bem vindo!!!

Ana, aproveita e prepara o pudim de claras para a sobremesa!

 

 

Paella Celebração (Serve 6)

200 gr de camarões sem casca

200 gr de lula em anéis

200 gr de peixe de carne firme cortado em cubos (cação ou garoupa)

300 gr de mexilhões frescos

90 ml de vinho branco

150 gr de vagem, cortadas em pedaços de 2,5cm

90 ml (6 colheres de sopa) de azeite de oliva

1 cebola grande picada

3 dentes de alho picados

1 pimentão vermelho sem sementes cortado em finas tiras

1 pimentão verde sem sementes cortado em finas tiras

2 tomates maduros, sem pele nem sementes, picados

900 ml de caldo de peixe ou frango

1 pitada de açafrão (dissolver em 30 ml de água fervente)

350 gr de arroz espanhol próprio para paella (ou arbório)

120 gr de ervilhas congeladas

10 azeitonas verdes fatiadas

sal e pimenta, o quanto baste

6 lagostins

 

Comece limpando os camarões, fazendo uma incisão nas “costas” do camarão e retire os intestinos. Enxague em água corrente e reserve. 

 

Escove a casca dos mexilhões e enxague em água corrente e remova os 

“cabelos” com uma
faca pequena ou puxando com força, mas com cuidado para não arrebentar. Jogue fora os mexilhões que já estiverem abertos.

Coloque os mussels em uma panela grande com o vinho e deixe ferver. Cubra a panela com uma tampa e cozinhe por 3 a 4 minutos, ou até que os mexilhões se abram. Coe, mas reserve o líquido e descarte os mexilhões que não se abriram.

Cozinhe as vagens por 3 minutos em água fervente.

Numa paellera ou uma panela grande e rasa aqueça o azeite. Cozinhe os camarões até que fiquem rosados. Reserve.

A fogo médio frite a cebola e o alho e deixe dourar levemente. Acrescente os pimentões reservando algumas tiras para decorar. Mexa para não grudar. Acrescente os tomates e cozinhe por 2 a 3 minutos até que comece a espessar.

Acrescente os anéis de lula e mexa para que todos os ingredientes se incorporem.

Adicione o caldo, o líquido de cozimento dos mexilhões e o líquido do açafrão. Tempere com sal e pimenta. Quando começar a ferver, adicione o arroz. Mexa bem, acrescente a vagem e cozinhe a fogo alto por 10 minutos. Abaixe o fogo para médio e coloque os camarões e os pedaços de peixe para cozinhar por uns 8 minutos até que todo o líquido tenha sido absorvido.

Enquanto isso frite os lagostins em azeite de oliva até que se tornem rosados.

Acrescente os mexilhões, as ervilhas, as azeitonas e  decore com as fatias dos pimentões e os langostins. Cubra com papel alumínio e cozinhe por mais 3 minutos a fogo lento. Retire a panela do fogo e deixe descansar por 10 minutos antes de servir.

Ufa! Mas valerá cada minuto!

Olha a empada aí!

Estou no Brasil. Mais especificamente em São Paulo. E como todo expatriado que põe o pé no seu país depois de uma temporada fora, fui logo em busca de comida.

Estava louca para comer coxinhas, empadinhas, bolinhos de tudo o que é tipo com os mais variados recheios…

E me vi em uma maratona de comer empadinhas (e ganhar alguns quilos na balança)  – louca! Comecei a procurar quais eram as empadinhas do momento, os recheios e os lugares que definitivamente eu deveria visitar.

Comecei pela Ofner, por acaso. Estava de passagem pelo Shopping Ibirapuera para tentar comprar um chip para meu celular pré-pago – que burocracia! – quando vi aqueles quitutes sorrindo prá mim numa vitrine extremamente organizada e recheada das mais deliciosas e lindas empadinhas, coxinhas, risolis, pastéis… Era o Paraíso naquela terça-feira onde tudo parecia dar errado!

Antes de começar minha degustação de empadinhas, comi uma coxinha com catupiry de derreteu na minha boca. Não precisei mastiga-la. Foi morder e glup! Aquele purezinho de batata misturado ao frango bem temperado, sem aquele gosto caracteristico de caldo Knorr presente nas coxinhas de padaria, e a cremosidade do catupiry desceram pela minha guela e alegraram meu dia. Queria mais uma, duas, ou até três!

Mas a atendente da Ofner viu o meu orgasmo frente a vitrine e perguntou se havia muito que e não comia esta coxinha. Rapidamente, para que ela voltasse a trabalhar e me desse outra coxinha, expliquei minha situação de morar fora de São Paulo há mais de 10 anos. Ela, então, gentilmente me ofereceu comer a empadinha. Até então, eu nem pensava nessa maratona empadológica!

Pedi a camarão. Qual foi a minha surpresa! A empadinha de camarão da Ofner é preparada com azeite de dende! Parecia uma moqueca dentro de uma massa muito fininha, saborosa e flaky. A minha perspectiva mudou. Não queria mais comer nenhuma coxinha na minha vida e pensei que talvez fosse essa a minha refeição no corredor da morte. Por alguns segundos estava em transe onde o sabor e o aroma da Bahia vieram a minha mente e me deixaram um tanto nostálgica. Estava realmente feliz por estar de volta a São Paulo.

Foi ai que resolvi experimentar outras empadinhas já que este salgadinho é vendido de docerias a padarias, de quiosques a botecos.

Fui no Rancho da Empada e comprei os mais variados sabores e claro, uma de camarão, para poder comparar. A massa, extremamente quebradiçasequinha é o ponto alto destas empadinhas. Mas os recheios de espinafre e queijo branco e de abóbora também são deliciosos. Mas a de camarão ficou atrás da sua concorrente Ofner. Apesar de ter mais camarões em seu recheio, o sabor do dendê da Ofner é algo muito marcante.

Sem querer, no dia seguinte, me deparei com um outro quiosque de empadinhas: Empada Caipira, no WalMart. Nem de longe – muito menos de perto – as empadas pareciam ser páreo para as suas concorrentes anteriores. Mas como me embrenhei nesta maratona pedi uma de camarão e provei. Mas não o deveria ter feito. Um gosto ransoso e de muita gordura hidrogenada  ficou empregnado no meu céu da boca. Coca-light, por favor!!! Mesmo sendo PLUS! Que para mim, sinceramente não tem nada de diferente além da latinha.

Minha última empadinha de camarão nestes quatro dias comi na padaria da esquina aqui de casa. Que surpresa. Não tinha azeite de dendê, mas a massa era deliciosa, sequinha e seu recheio muito fato. Camarões picados e azeitona com um molho de tomate caseiro. Perguntei pro Seu Gonçalves e ele me disse que sua mulher que prepara. E muito bem!

Na próxima semana vou a Curitiba onde tem a famosa Empada do Caruso. Infelizmente, já vou com o estômago preparado para comer uma empadinha que não me agrada pois sua massa não é tradicional de empada, mas é uma massa folhada. Não sei este segredo, mas vou tentar descobrir e volto prá postar e ver se a minha saudade de comer empadas mudou o meu conceito das empadinhas do Caruso!

Docerias Ofner
Shopping Ibirapuera – Piso Jurupis

Rancho da Empada
Domingos de Morais, 2026
V. Mariana

Empada Caipira
Quiosque WalMart Osasco
Av. dos Autonomistas, 1768

Padaria San Marino
Rua Santa Cruz, 994