Filho de peixe, peixinho é!

Meu filho acordou e me pediu para ajudá-lo a fazer um bolo! “Como assim? São 7 da manhã. Você ainda deve estar sonhando…” Ah! E bolo de côco!

É incrível como aqui em casa nós contribuímos 50% / 50% na genética dessa criança! O gosto pela cozinha e pela comida, claro (!) ele tomou de mim. Vocês poderiam até dizer que toda criança gosta de se estar na cozinha pela aventura e bagunça, mas não é este o caso aqui em casa. Ele quebra os ovos com precisão, lê a receita e me corrige se eu faço alguma “adaptação”! Será que ele vai seguir os passos da mãe? Coitado…

Mas voltando ao pedido fui pensar em uma receita bem fácil para ele poder fazer e eu ajudá-lo. Nada vinha a minha cabeça, porque, na verdade, eu nunca tinha feito um bolo de côco!!! Fiz, sim. Uma única vez um bolo que era servido lá no Restaurante Mocotó de Londres e dava um trabalhão. O bolo era feito em 3 etapas, era preciso fazer um creme patissier, manteiga noisette… Muita falta de juízo se esta fosse a receita escolhida! Além do que logo recebi uma outra exigência. “Mãe, quero um bolo bem fofinho!” Ufa! Este bolo era molhadinho!

Pensei em fazer um bolo simples de baunilha e acrescentar côco. Boa idéia? Não! Já que a criaturinha estava a fim, por que não curtirmos este momento juntos aproveitando para testar alguma receita, também? Boa idéia? NÃO! Com a casa em zona de guerra como está tudo o que eu menos precisava era testar receitas. Mas lá fui eu!

Encontrei uma receita num livro que nunca tinha usado. Eu o comprei em Janeiro, antes de me mudar e logo entrou numa caixa de mudança… Chegando aqui foi um dos primeiros a se acomodar na minha prateleira. Bingo! Tudo o que eu precisava – testar uma receita de um livro ainda não testado! E não é que foi muito bom! Apesar de meu ajudante – ou seria eu a ajudante? – ter feito muita coisa eu pude aprender, inclusive, coisas novas sobre bolos.

E o resultado final… Um maravilhoso, super cocolicius (isto foi por conta do meu filho!) e fofíssimo bolo de côco!

 

Bolo de Côco do Sul de Manhattan (Serve 24 pedaços)

6 ovos grandes, separadas claras e gemas

226 gr de manteiga sem sal a temperatura ambiente

400 gr de açucar de confeiteiro

400 gr de farinha para bolo*

3 colheres de chá de fermento em pó

1 colher de chá de sal fino

1 e 1/2 colheres de chá de extrato de baunilha

220 ml de leite de côco

100 ml de leite integral

150 gr de côco em flocos (eu usei o úmido e adoçado)

 

Bata as claras em neve em picos duros. Reserve

Em outra tigela, bata a manteiga e o açucar de confeiteiro até formar um creme claro e aveludado, uns 5 minutos em velocidade média.

Enquanto isso peneire em uma outra tigela a farinha para bolo, o fermento e o sal. Reserve.

Junte as gemas, à mistura de manteiga e açucar, uma a uma, batendo por 30 segundos a cada adição. Acrescente a baunilha.

Agora você já pode pré aquecer o forno em 180 graus. Misture o leite de côco e o leite integral. Reserve. Diminua a velocidade da batedeira para baixa e acrescente os ingredientes secos peneirados, alternando com a mistura de leites.

Sem bater acrescente o côco ralado misturando com delicadeza. Lembra das claras em neve? Agora é a hora de misturá-las a sua massa, pouco a pouco, fazendo movimentos envolventes de cima para baixo. Isso vai deixar o bolo extremamente macio!

Asse em forma untada e enfarinhada por 40 minutos. Eu usei forminhas de bolo inglês individuais e renderam 24 bolinhos. E reduzi o tempo para 25 minutos. Teste com um palito para ver se o bolo está assado. A superfície estará levemente úmida.

Este bolo fica bem docinho, por isso dispenso coberturas. Alguns bolinhos reguei com leite de côco e polvilhei o côco em flocos.

* Olha que coisa genial que aprendi neste livro. A farinha para bolos, que ainda não sei se é possível encontrar pronta aqui no Brasil, é uma mistura de farinha de trigo com amido de milho (para maior leveza!). A receita é simples: para cada 120 gr de farinha de trigo acrescente 20 gr de amido de milho. Isto te renderá uma xícara de farinha de bolo (140gr)!!! Você pode fazer esta mistura e guardá-la para quando precisar!

 

Extra! Extra! Olha o Memórias aí, gente!!!

steak tatar

steak tatarPessoal,

hoje o dia foi pra lá de especial! Vimos o resultado de alguns dias de trabalho e muita expectativa. Bem, vamos contar a história desde o início!

Eu e a Pati, como apaixonadas por cozinha que somos, sempre navegamos a procura de blogs de culinária legais para acompanhar. Nesta busca, conhecemos o DCPV, o blog, como ele mesmo se denomina, etílio-gastronômico do Edu. Nele, descobrimos que o Edu fazia um projeto mais legal ainda: o InterBlogs!

O InterBlogs se resume ao Edu executar um cardápio de outro blog. Mas tem que ser algo novo, desenvolvido para o projeto. Só blog bacana faz parte deste projeto.

E, há mais de um ano, quando estávamos começando a dar forma ao Memórias Gastronômicas, a gente se candidatou a participar. E não é que deu certo!

Eba! Yup!!!! Tivemos a honra de ser convidadas a fazer o menu deste mês! Delícia demais!

Só para dar um gostinho, a nossa proposta foi composta por receitas que não saem da nossa memória e parece que não vão sair de outras também!

Entrada: Steak Tatar especial

Prato Principal: Lula recheada de couscous

Sobremesa: Mil-folhas de côco com ameixa

Confiram as receitas completas no InterBlog!

Bolo de fubá de Festa Junina

Acho que uma das coisas que mais sinto falta do Brasil são as Festas Juninas. Não comemoramos em Londres, nem tampouco aqui no México.

Tentei alguns ensaios mas o clima atual da cidade do México – 26 graus na sombra! – não ajuda ninguém a encarar fogueira, quentão ou vinho quente…

Acho que a melhor parte destas festas são mesmo as comidas. Muita gente nem sabe ao certo o que se comemora nestas datas, algum Santo, ou coisa parecida. Não importa! Mas vá a uma quermesse sem uma deliciosa canjica, pipoca, doce de abóbora ou paçoquinha? Nem pensar!

Esta semana, um pouco nostálgica, fiz um bolo de fubá com côco com o maior capricho e este bolo rendeu histórias para toda a semana! Na verdade, nem foi pensando em festa junina, mas em uma amiga que estava com desejos de bolo de fubá! E dele sairam muitos pedidos para organizarmos uma festinha. Me animei.

Quem sabe adaptamos um pouco e pelo menos nos juntamos para comer este bolo!

Bolo de Fubá com côco (do Caderno de Receitas da minha mãe)

200 gr de manteiga a temperatura ambiente

300 gr de açucar

3 ovos grandes, separados

250 gr de fubá (eu usei o pré cozido)

120 gr de farinha de trigo

200 ml de leite de côco sem açucar

350 ml de leite integral

1 pitada de sal

1 colher de sopa de fermento em pó

100 gr de côco ralado

Aqueça o forno a 180 graus. Unte uma forma de buraco de 25 cm com maeiga e farinha de trigo. Bata as claras em neve e reserve. Peneire o fubá, farinha de trigo, sal e fermento e reserve.

Na batedeira, bata o açúcar e a manteiga até obter um creme liso e amarelo pálido. Acrescente as gemas, uma a uma, e continue a bater por uns 3 minutos.

Sem bater, acrescente os secos e misture com uma espátula alternando com o leite de côco e o leite integral. Quando a mistura estiver bem homogênea, junte o côco ralado e misture. Por último junte as claras batidas em neve em movimentos suaves para as claras não “baixarem”.

Coloque na forma e asse por 40 minutos ou até que ao espetar um palito no centro do bolo este saia limpo. Retire do forno e deixe esfriar sobre uma gradinha. Desenforme o bolo frio. Se quiser, polvilhe com açúcar de confeiteiro.

Se estiver no Hemisfério Sul acompanhe-o com chá ou uma xícara de café. Por aqui, chá gelado foi uma excelente companhia!!!