Encontro Gourmet: celebração à boa comida e a blogs muito especiais!

EG Baden Baden harmonizacao

Eg eu e Val

 

 No dia 20 de setembro, eu e Valéria Rúbio fizemos parte do maior encontro de blogueiros de gastronomia do Brasil: o III Encontro Gourmet.

Foi uma experiência pra lá de especial que gostaria de dividir com todos.

Antes de mais nada, a organização foi primorosa. Você podia perceber cuidado em cada detalhe, desde a recepção até os minutos finais. Registro aqui o meu muito obrigada à Sandra Reis (do blog Caldeirão da Bruxa Solar), Dani Abolin (do Blog CineBistrot) e Cecília Padilha (do blog Yes We Cook)

Encontro Gourmet 3

Eu fiquei arrasada porque tive que ir embora mais cedo pois minha filhota estava doente. Mas acompanhei tudo online – vantagens de estar com uma turma super plugada! – só não deu para receber o prêmio que fui sorteada…snif, mas c”est la vie!

O evento pela primeira vez aconteceu na Escola de Gastronomia da Estácio, em São Paulo. Mas parecia que o evento havia nascido para acontecer ali. As salas/cozinhas eram excelentes! E as oficinas, de arrasar… Fiquei com pena de não poder participar de todas.

Quem já viveu a rotina de organizar eventos sabe que para viabilizar um evento deste porte só foi possível graças também ao apoio de várias empresas que acreditam no profissionalismo e dedicação deste blogueiros.

Por isso, gostaria de abrir uma exceção aqui e dividir com vocês quais foram as empresas patrocinadoras do evento, que, levou seus lançamentos, nos presenteou algumas de suas delícias e trouxe profissionais para as ofinicas que nos ajudaram a aprimorar mais nossos conhecimentos e interesse pelo tema.

Ao longo deste post, vou citar alguns destaques para o nosso blog. Gostaria de deixar a homenagem e agradecimento à todas, que estão listadas aqui.  

Mas vamos deixar de conversa fiada e vamos ao que interessa: dividir com vocês um pouco sobre algumas das oficinas que fizemos e dos stands que visitamos.

Já na chegada fomos recebidos com um café da manhã delicioso. O destaque especial do Memórias ficou para os potinhoes de Melão Rei, aqueles da redinha e mais que docinhos. Afinal, uma boa frutinha era muito importante para começar o dia que prometia muita comida gostosa.

EG Banqueteria NacionalAo subirmos para a parte das oficinas, fomos “recebidos” por uma mesa maravilhosa da  “Banqueteria Nacional”.  Eles serviram algo super fácil de ser replicado em casa e extremamente saboroso. Foi uma Terrine de cream cheese e geléia de jabuticaba, salpicado com xerém de Castanhas do Pará,  rodeada por chips de caqui, banana e batata doce. Excepcional! O melhor petisco do evento. Já me deu água na boca, só de escrever.

DICA MÉMORIAS: Experimente fazer na sua casa, utilize 3 potinhos de cream cheese e a geléia de sua preferência. Em um bowl, forrado com papel filme suficiente para cobrí-lo, coloque o primeiro pote de cream cheese na primeira camada. Adicione outra camada generosa de geléia, e repita o processo até finalizar com uma última camada de cream cheese. Feche com o papel filme e leve à geladeiras por 3 horas. desenforme e sirva com os chips de sua preferência. Hoje em dia há várias opções de tubérculos desidratados nas zonas cerealistas das cidades. Experimente!

Por sinal, a chef Dani Padalino, resposável pela Banqueteria Nacional deu um show em sua oficina: Cozinhando às cegas. Uma super experiência, que vale a pena experimentar.

O stand dos famosos queijos do reino, Queijos Palmyra (ou Borboleta – ambos da mesma empresa)  remeteram-me à minha infância. Este era o queijo preferido da minha avó. Era presença online casino constante em sua casa. Este stand reativou muitas das minhas mémorias gastronômicas, literalmente…. Fiquei matutando receitas deliciosas para experimentar com ele… huuummm. Em breve, posto aqui. Não acreditei quando vi umalatinha dele entre meus brindes! Uhu!!!!

DICA MEMÓRIAS: Substitua o queijo prato ou muçarela de suas receitas por esta delícia. Você terá um toque a mais de sabor e cor!

O stand da Revista Casa e Comida estava super charmosa em clima de picnic, com um suspiro de pistache delicioso. Neste espaço, pudemos ver as novidades de outras empresas, como a Forno de Minas, Café Iguaçu, Camil, entre outros. E ainda pudemos nos refrescar com drinks não alcólicos, feitos com o chá FeelGood. Impressionante como temos possibilidades infinitas de drinks não alcólicos. Estavam bem saborosos. E fiquei empolgada em fazê-los na próxima tarde com a criançada.

Ainda tivemos outras delícias expostas, como vários queijos da Allfood. Todos especialmente ma-ara-vi-lho-sos! Mas aquele com nozes ganhou meu coração.

Drink de tomates cereja defumado do Class BarOutro destaque, na parte de bebidas, eram os drinks do Class Bar. ANIMAIS! Lindos e super saborosos. O stand parecia uma mesa de alquimia. Show na apresentação, desde o menu em tablets, passando pelo preparo e culminando no sabor! Deu vontade de fazer uma mega festa, só para chamá-los!

Na parte de doces,  o stand do Madame Formiga estava dando um show! Com seus tachos de brigadeiros. Eles arrasaram ainda mais no presentinho: um bolo no potinho divino!

DICA MEMÓRIAS: Se você não tem o Madame Formiga para sua festa, você pode fazer seus próprios bolos no potinho, mesclando pedacinhos de bolo e brigadeiro, alternando as camadas até completar o pote.

Ainda na parte dos doces, o Nake Cake da querida blogueira e amiga, Mari, do Delicious by Mari, estava de arrasar!

Na linha mais saudável, a confeitaria vegana Miriam dos Bolos mostrou a que veio, cheia de opções saudáveis e saborsas. E a Ariana com a sua A Casa Encantada, trazendo muita coisa saudável para o mercado de SP.

EG Cuisine du marcheA primeira oficina foi a Cuisine du Marche, ministrada pelo coordenador geral da gastronomia da Estácio, David Mansaud, foi uma delícia. Preparamos uma receita deliciosa e super leve, enaltecendo o frescor dos ingredientes frescos.

O destaque deste oficina, foi lembrar da importância de valorizar o sabor e frescor de cada ingrediente para que o resultado final surpreenda. É sempre bom lembrar que podemos fazer pratos incríveis com ingredientes simples.

DICA do Chef: Para realçar a cor e o sabor de cada ingrediente, trabalhe com fogo baixo, azeite para o início do refogado e, na sequência, acrescente bem aos pouquinhos, caldo de frango caseiro, fazendo uma deglaçagem. Assim, a gordura natural do caldo de frango, realça a cor dos legumes e dá um sabor especial.

 

EG Quinoa com legumes e pera

 

 

 

 

Ele preparou uma quinoa orgânica (sim, o sabor é diferente. é um pouco mais amarga) cozida al dente. Com legumes, deglaçados (processo que expliquei acima), peras picadinhas, temperados com sal, azeite, ervas frescas e limão. Sobre foram colocadas lâminas de beterraba, abóbora menina, nabo, aspargos e bulbo de erva doce. Acompanhando uma salada de alface orgânico.

De-li-ci-o-so!

 

 

EG3 Degustação Baden Baden

 

 

Depois tivemos que participar da harmonização da Baden Baden. Por sinal, eles arrasaram em seu stand. 
Impossível ficar longe deles por muito tempo… rsrsrs… Toda hora, eu ia visitá-los. A Baden de Trigo com toque de laranja e coentro foi a minha preferida (tive que degustá-la por algumas vezes para ter certeza disso \o/), mas a edição de 15 anos também merece destaque!

 

Adorei descobrir um espaço que eles criaram no seu site para você identificar a cerveja que mais harmoniza com seu prato, chama-se Experiência Gourmet. Mas nada de tabelinha trivial. Vc pode cadastrar os ingredientes utilizados, com suas intensidades e obter o resultado que melhor se adequa ao seu prato! Show de bola!E a oficina foi a oportunidade perfeira para harmonizar alguns pratos com cada tipo de cerveja e brindar o evento e os amigos! Bom demais da conta! Que venha o EG 4! Cheers!!!!

EG Baden Baden harmonizacao

 

 

Arroz doce, arroz de leite ou mesmo arroz de festa?

Arroz Doce Brulée

Arroz Doce BruléeEu sempre amei esta época de festas juninas. Adorava ir às festas das paróquias de BH, dos condomínios, dos clubes. Gosto do clima, da animação da turma e principalmente das comidas!!!! Aqui no blog já postamos algumas receitas tradicionais desta época. A de hoje porém nem acho que é só de festa junina. Na verdade, há muito tempo planejava escrever sobre este doce tão tradicional e comum na nossa vida… Vc pode esta com aquela cara: arroz-doce????? Não dava para arrumar coisa melhor????

Mas acho o arroz doce uma sobremesa que aquece a alma, claro que se bem feito. Quase nunca fazia em casa. Mas nas minhas últimas viagens, sem mais nem menos, trombava com o que? Arroz doce! Com isso, fui descobrindo que o arroz doce faz parte da cultura e paixão mundial. E aí, não resisti, neste período de “molho”, tive que pedir para fazerem para mim. O pior é que arrumei uma concorrente de peso, que devorou tudo!

Antes da receita, algumas curiosidades: você encontra arroz doce praticamente no mundo todo. Esta receita é de origem turca. Lá, em alguns restaurantes, você encontra o arroz doce como uma das opções de sobremesa. Foi em um deles que comi a versão que mais gostei, brulée e com sorvete e xerém de pistache.

Na Grécia, também é comum encontrá-lo, mas servido como opção de café da manhã. Na Itália, é uma opção mais caseira, para o dia a dia, como aqui no Brasil.

Enfim, pode-se chamar, arroz doce, arroz de leite, risoto doce, como preferir… o importante é que é bom demais da conta!

Receita de Arroz Doce:

– 200g de arroz (1 xícara)

– 500ml de água

– 1,25 l de leite integral

– 4 gemas

– 10 colheres (sopa) de açúcar (160g)

– casca de 1/2 laranja bahia

– 1 canela em pau

– 2 cravos

– 2 cardamomos

Modo de Preparo:

Em uma panela ferever o leite com a casca de laranja. Reservar. Em outra colocar o arroz, a água e as especiarias para ferver. Quando levantar fervura, adicionar o leite (dica da vovó: colocar um pires emborcado – virado para baixo – dentro da panela para o leite não entornar). Deixar ferver até o arroz ficar macio.

À parte, enquanto cozinha o arroz, bater à mão, as gemas com o açúcar até esbranquiçar. Adicionar uma concha do caldo do arroz à gemada e virar esta mistura ao arroz já cozido (este processo é importante para evitar grumos). Deixar ferver novamente. Desligar e colocar em vasilhas individuais ou em uma única de sua preferência.

Variações:

– Você pode servir o arroz doce brulée. Para isso, salpique açúcar sobre o pote e doure com ajuda de um maçarico. Fica moderninho e delicioso.

– Para uma versão mais mineira, acrescente uma colher de doce de leite por cima.

– Outra opção é como eu comi na Turquia, sirva quente com uma bola de sorvete de pistache por cima e salpique pistaches quebrados… Divino!

Apaixone-se!

 

Um (pedacinho) pecadinho de bolo de mandioca com côco

bolo

Nos últimos dias, andei testando várias receitas para um trabalho super especial que surgiu…

Aí, entre uma receita e outra, bateu um desejo de fazer um bolo que amo, mas siceramente, apesar das minhas raízes, nunca tinha feito. Só que ele tinha tudo a ver com o projeto: bolo de mandioca (como boa mineira ou aipim) com côco. Pedi para minha mãe a receita dela e fui testar… Na verdade, existem várias formas de fazer este bolo. Nos próximos dias, testarei outras e comento aqui.

A hora de fazer foi  uma novela a parte, pois não tinha um prato fundo daquele das antigas, tive que bater na porta da vizinha, qua acabou presentada com um dos testes… então, para facilitar a sua vida, medi as porções e coloco as duas opções de receita. Lembro que este bolo não é fofinho, aerado como os outros. É mais compacto por causa da mandioca. Mas tem uma liga, um sabor… huuuuummmm! Me acabei no bolo, acompanhado de um bom café coado… e assim virou mais uma história de um pedacinho que virou pecadinho…

Receita de Bolo de Mandioca com Côco – receita da D. Eloíza

– 1 prato fundo, cheio atá a borda,  de  côco fresco  ralado – isso dá cerca de 200g. Se vc preferir o côco seco, coloque-o de molho em 2 garrafas de leite de côco para hidratar por cerca de 30 min e depois pese.

–  1 prato fundo, pelo friso, de mandioca ralada, grosseiramente – cerca de 480g

– 1 xícara  e meia  de  açúcar – eu diminuí um pouco o açúcar. Pus só 1 xícara, gostei. Ficou equilibrado. Mas para quem ama açúcar pode ter ficado sem graça. – equivalência de xícara, veja no nosso “Pesos e Medidas”.

– 1  xícara  de queijo meia cura

– 4 ovos, sendo as claras em neve

– 1/2 copo de óleo ou 2 colheres de manteiga – usei a manteiga

– 1  colher (sobremesa) de canela – não pus

– 1 pitada de sal

– 1 colher (sopa rasa) de fermento

Modo de preparo:

1-Préaquecer o forno a 180 graus.

2- Misturar todos os ingredientes, menos as claras.

3- Acrescentar as claras em neve e colocar em forma untada.

4- Levar ao forno a 180 graus e quando  crescer, abaixar para 160 até dourar.

Alimentando corpo e alma – receita de bolo de maçã e livros que vieram de longe

Bolo de maçã

Amor em pedaços e Papel manteiga - Livros que alimentam a almaEm meio a tanta correria, às vezes não sobra tempo para respirar fundo, sentar na rede, ler um livro… com filho pequeno então… é só você sentar que escuta “o chamado”: manhêêê!!!!!

Há umas semana estava meio – melhor dizendo, completamente – assim… até que tocaram a campanhia… DIN DON…. O quê? Correios? Sedex para mim? OBA!!!!

Quando aparece o moço do sedex aqui em casa, pode saber que é coisa  boa chegando de BH…

Virei criança novamente, abri a caixa, vi que a maioria das coisas era para a minha filhota, afinal avó é avó coruja e ponto! Mas lá no fundinho, tinha um pacotinho com meu nome.. oba! Presente fora de hora!

Ao abrir, verifiquei que eram 2 livros pequenos no tamanho mas enormes no  conteúdo. AMEI!

Na hora já coloquei um na bolsa e comecei a minha saga: qualquer paradinha, vale para uma leiturinha… Fica a dica:o primeiro permeia o mundo culinário, o outro tem como tema principal o amor, mas na prática ámbos tratam de relações humanas. Deliciosos! Detalhes dos livros lá embaixo, depois da receita.

Gostei tanto que resolvi dividir com vocês!

E já que estava no clima leitura, resolvi testar uma receita de um bolo de maçã que uma amiga me deu. Ela é proprietária de uma loja de alimentação natural Parada Saudável e por isso o bolo é mais que saudável!

Fiz para o lanche  aqui em casa,  na escola e como fez o maior sucesso já fiz também outras variações, como com morango (acrescentei um pouquinho de açúcar nesta opção – ficou divino tb!). Vamos à receita:

Bolo de maçãReceita de bolo de maçã super saudávelnotas da própria Val!

– 2 e ¼ xíc de farinha de trigo ( faça uma mistura que seja ½ branca e ½ integral)

– ½ xic de uvas passas brancas

– 6 colheres de sopa de água

– 450g de maçãs cortadas em cubos sem casca (4 grandes ou 5 médias, nunca pesei, acho que sempre passou um pouquinho… / já fiz com todas as qualidades de maçãs, eu gostei mais da fuji e depois da gala).

– 1 colher de chá de canela

– 1 colher de chá de sal

– 1 colher de chá de cremor tártaro (nota da letícia: serve para ajudar na liga e maciez do bolo, como estava sem, não usei, mas fica melhor com…)

– 1 e ½ colher de chá de bicarbonato

– 1 e ½ colher de chá de fermento em pó

– raspas da casca de 1 limão

– ¾ de xic de açúcar mascavo (nota da letícia: sempre aperte o açúcar mascavo para medir)

– 3 ovos pequenos

– ½ xic e 2 colheres de sopa de óleo de girassol

Modo de preparo:

1- Leve as passas com água para ferver. Desligar e deixar descansar.

2- Bata no liquidificador o óleo e o açúcar. Acrescente os ovos e bata mais um pouco.

3- Passe os ingredientes secos na peneira. Misture o líquido e o sólido.

4- Acrescente a maçã, as raspas e as passas ( espremidas para tirar o excesso de água).

5- Colocar em 2 duas formas de bolo inglês ou em 14 forminhas individuais (depende do tamanho)

6- Levar ao forno preaquecido (estranhas estas novas regras…tenho que me acostumar a elas) a 180 graus.

Os livros:

Papel manteiga – para embrulhar segredos – cartas culinárias. Autora: Cristiane Lisbôa, ed. Memória Visual

Amor em pedaços. Autora: Renata Feldman, ed. Asa de Papel… que loucura: acabei de ver nos agradecimentos o nome de uma amiga minha! Este mundo é pequeno mesmo!!!

Memórias de um estômago com muitas lembranças…

caneloni com abóbora

caneloni com abóboraHoje é um dia muito especial. Isso porque o Memórias está gerando um fruto muito especial: o site NaSavassi acabou de lançar a sua mais nova coluna quinzenal. Uma coluna de gastronomia com nada mais nada menos que euzinha no comando, ou melhor, no computador!

É… o Mémorias está no NaSavassi!!! Bom demais da conta. Precisávamos dividir isso com vocês, afinal aqui é o nosso porto seguro e vocês precisam saber destas novidades em primeira mão!

Desta vez, contei sobre a receita de um Caneloni recheado com Abóbora e Orapronobis. Delicioso. Vale a pena conferir e testar.

Mais ainda, para quem é de BH ou mora lá, vale a pena conhecer o NaSavassi e acompanhar sua programação.

E neste momento jabá, confira o causo e receita no NaSavassi

Olha pro céu, meu amor… foi aberta a temporada da canjica!

canjica

canjicaAinda em ritmo de festa junina, fiz a minha primeira leva de canjica! E todo ano me pergunto: por quê a gente só faz canjica nesta época???

Bem, no meu caso, a resposta é simples: porque me acabo de tanto comer. Definitivamente, não consigo ficar só num pratinho!

É aquela receita fácil de comer e fazer, mas tem seus truques. E, como várias pessoas me perguntaram como preparar, coloco aqui a receita que sempre utilizo.

Eu gosto de preparar uma quantidade maior, pois a cada dia ela vai ficando mais gostosa. 

 Só neste ano, descobri que tenho uma sócia: minha filha apaixonou-se também! Acho que vou ter que fazer mais!!! canjica

Receita de Canjica (simples e com complementos deliciosos – serve 12 porções)

– 500g de canjica (deixada de molho em água de um dia para outro, pelo menos por 8 horas)

– 1,5l de água

– 2l de leite

-500ml de leite de côco

– 100g de côco ralado

– 300g de açúcar

– 2 a 3 pauzinhos de canela

– 3 cravos da índia

– opcional 1: 200g de amendoim torrado e moído

– opcional 2: 200g de queijo minas em cubinhos (coisa de mãe mineira…)

Modo de Preparo:

1- Deixar a canjica de molho de um dia para o outro. Escorrer a água e colocá-la para cozinhar em fogo brando com a água. Deixar ferver por cerca de 1h30min, mexendo de vez enquando para não grudar.

2- Após este período, acrescentar a canela, cravo, leite e leite de côco. Deixar ferver novamente. Acrescentar o açúcar e o côco. Deixar cozinha por mais uns 45 minutos até os grãos estarem bem macios e o caldo mais grosso.

3- Você pode servir com um pouco de amendoim torrado e moído ou com cubinhos de queijo ou com tudo junto misturado… Uma delícia!

Bom apetite!

Hasta luego!

Lançamento Livro Lula Chef

Lançamento Livro Lula Chef“A vida é arte do encontro / Embora haja tanto desencontro pela vida…” (Vinicius de Moraes, Samba da Benção)

Comecei este post citando um pedacinho da letra de uma música que me fascina, pois acho que ela caiu como uma luva para resumir estes dias que passei no México. 

Foi uma viagem que saiu bastante do planejado, mas só me surpreendeu. A começar pela oportunidade de estar com amigos tão especiais, mesmo com os passeios cancelados porque minha filhota ficou doente.  Estar com amigos é bom em qualquer lugar e em qualquer situação, sempre.

Essa viagem também foi sensacional porque a turma que escreve o blog (eu e a Pati) pode estar junta geograficamente e dividir ao vivo várias idéias sobre o que mais gostamos de fazer: cozinhar!

Ops! Outra nota: Quando os amigos são seus parceiros de trabalho, melhor ainda!

Finalmente (e vocês devem estar se perguntando o que tem a ver com tanto blá, blá, blá…), nesta viagem, tive a oportunidade de reencontrar outra pessoa querida que há muito não via com calma. Sabíamos notícias uma da outra, mas há tempos não tínhamos oportunidade de bater papo, jogar conversa fora…

E este encontro também surpreendeu, pois, além do prazer de vê-la feliz e de um almoço “tranquilo” com as crianças (ok, com criança, esta não é a descrição mais correta… talvez, relax…), ela nos presenteou com um convite para irmos ao lançamento do livro de culinária da Chef Lula (nenhuma ligação com o presidente… rsrsrs), que faz culinária mexicana contemporânea da mais alta qualidade.

É óbvio que adoramos, né?

Quando chegar em casa, vou fazer algumas das receitas que estão no livro e divido com vocês. Posso adiantar que o que provei estava delicioso. E o livro, lindo e super didático! Um detalhe que adorei e que facilita muito a vida de quem quer fazer bonito, mas não tem muito tempo – ou paciência – de montar cardápios é que ela já dá a sugestão de alguns menus, com entrada, prato principal e sobremesa. Delícia!Livro LulaChef

Fica a dica em primeira mão e a saudade com gostinho de quero mais!

Pati, Patrics e Lu, muchas gracias!!!

Lulachef – Mexico Comtempo

Lula – Else Martín del Campo

Fotografia: Ignacio Urquiza e Zony Maya

Editora Anyma

www.edicionesanyma.com

Um fim de semana bem mineiro

Pão de queijo

Pão de queijoPara comemorar meu aniversário, importei de Minas a melhor cozinheira que conheço: minha mãe.

E para variar, ela preparou quitutes muito especiais. Já começou com a mala de chegada: excesso de bagagem recheado por leitão(pois só o do fulano servia…), queijos, goiabada feita em casa com goiaba da horta, doce de leite…

Já no café da manhã, uma mudança: todos os dias da última semana, acordei com uma fornada de pão de queijo…huuummmm… indescritível! Era uma disputa a cada bolinha…

Várias pessoas já me pediram a receita do famoso pão de queijo mineiro, mas eu nunca conseguia fotografar, pois a disciplina do pessoal aqui de casa em esperar a foto perfeita acabava a medida que o cheirinho desta delícia ia dominando o ambiente.

Mas desta vez, problema resolvido: acordei mais cedo, pus para assar e voilá!

Nota: foto tirada entre uma mordida e outra, afinal não sou de ferro…

Receita de pão de queijo (como toda receita de mineiro, é pra muita gente, mas dá pra congelar…)

– 500g de polvilho doce

– 500g de polvilho azedo

– 500ml de água

– 250ml de óleo

– 250ml de leite

– 1 colher de sobremesa rasa de sal

– 500g de queijo canastra meia cura

– 100g de queijo parmesão

– 2 a 3 ovos (depende da textura da massa)

Modo de preparo:

Em uma gamela (ou bacia) misturar os 2 polvilhos e salpicar 1 copo de água (250ml). Friccionar o polvilho entre as mãos para umedecer e soltar a massa. Reservar. Em seguida, colocar para ferver o resto da água, óleo, leite e o sal. Quando levantar fervura, virar aos poucos sobre o polvilho e ir escaldando-o, enquanto meche com uma colher de pau, com movimento de cima para baixo. Após escaldar todo o polvilho com todo o líquido, reservar e deixar amornar. Acrescentar os ovos, misturando à massa e, em seguida, incorporar os queijos previamente ralados.

Provar o sal. Se for necessário colocar um pouco mais (depende do queijo colocado). Fazer bolinhas com a mão untada, colocando-as em assadeiras. Levar ao forno previamente aquecido a 180 graus.

Se for congelar, levar a assadeira ao congelador e depois de congelado, colocar em saquinhos com as quantidades ideiais para seu consumo. Voltar com eles para o congelador.

Prepare-se para comer mais do que vc pretendia… Bom apetite!