¡Aos Argentinos!

Eu acho que como a maioria dos brasileiros sempre tive aversão aos hermanos argentinos. Acho que fui muito “Maria vai com as outras”, pois além do Maradona, nada mais me irritava em relação a Argentina. Mas eu sempre dava meu apoio moral a rechaçar-los, menosprezar-los e até difamar-los. Que feio!

Mas esta situação mudou. E mudou muito. Depois que fui para Buenos AIres, no auge da crise que arrebatou o país comecei a ver com outros olhos esta nossa relação. Em BA fui muito bem tratada, o clima, apesar da crise era sempre de festa, de uma cidade cosmopolita, apesar de provinciana, mas cheia de cultura, de comida boa, de savoir faire. E naquela época cheia de compras a preços muito convidativos!

Depois, conheci um amigo argentino muito gente boa. Mas muito mesmo. As vezes até me perguntava se ele era mesmo argentino ou queria se passar por um! Acho que ninguém quer isso, não é verdade!?!

E quando vim morar aqui no México conheci mais um montão de famílias argentinas. Logo de cara fiz amizade com uma pessoa maravilhosa que é a Carla. Que argentina gente boa! Linda por dentro e por fora. Com filhos lindos que logo ficaram super amigos do meu filho e um marido, também incrível. Seria tudo isso possível? Sim. Te respondo que sim! Além da Carla mais uma leva de argentinos foram chegando e dentre eles minha grande amiga e melhor cliente, Violeta. Aí eu já não tinha mais dúvida: os argentinos são muito bacanas e, claro, como toda regras existem suas exceções, mas juro que, de novo, além do Maradona, não conheço mais ninguém.

E resolvi tirar proveito dos hermanos pelo estômago. Violeta me havia pedido para fazer uns alfajores de maizena. Além dos alfajores Havanna eu não conhecia nenhum outro. Mas fui pesquisar e testar receitas. Fiz, refiz, pesquisei um pouco mais e logo eu era a fornecedora “oficial” dos alfajores de maizena argentinos! Que honra!

E hoje preparei uma fornada mais que especial. É para comemorar o nascimento do filho de minha amiga! Montei uma caixinha com cantuccini, brigadeiros de pão de mel, merenguinhos e, claro, os alfajores!

E esta receita e fotos já foram parar no Facebook, nos e-mails de amigas, nas Páginas Amarelas Brasil/México de tanto que faço e comento dessa guloseima. Mas se você ainda não se havia deparado com ela, aproveite!

Alfajores de Maizena

100gr de manteiga suave
1/2 xícara de açucar de confeiteiro
2 ovos grandes
225gr de maizena
1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 colher de chá de fermento
1/2 colher de chá de extrato de baunilha
raspas de casca de 1 limão
Doce de leite o quanto baste

Bater a manteiga e o açucar. Incorporar os ovos 1 a 1. Mesclar os ingredientes secos e acrescentar a mescla de manteiga. Adicionar a baunilha e a casca de limão e amassar com as mãos até obter uma massa leve e homogênea. Descansar na geladeira por 30 minutos.
Aquecer o forno a 220 graus. Estirar a massa 3 mm e cortar com um cortador redondo. Assar por 5 minutos. Não deixe os biscoitos dourar. Esfriar sobre uma grelha e recheie com doce de leite fazendo um sanduiche!

Doce festa

Doce festa infantil

Doce festa infantilPromessa é dívida. E para completar o post anterior sobre a festa de aniversário da minha filhota, agora conto para vocês os detalhes da parte mais doce da festa! Para relembrar, o cardápio dos docinhos foi: 

Brigadeiro tradicional e com bolinhas crocantes, Brigadeiro branco com côco e com castanha de caju,  Canudinho, Cocadinha mole,  Cajuzinho no copinho, Goiabada com queijo no copinho, Bolo de Margarida.

Vamos ao que interessa, as receitas,  que são para o rendimento de 25 unidades – depende muito do tamanho da bolinha / copinho e das lambiscadas da turma. Lá em casa, fiz uma receita a mais para os ajudandes se esbaldarem… Ah! E considere, pelo menos, 8 unidades de docinhos por pessoa.

 Brigadeiro tradicional  ou com bolinhas crocantes

– 1 lata de leite condensado

– 1 col. sopa de chocolate em pó

– 1 col. sopa de menteiga

-1 gema

– chocolate granulado, raspas de chocolate ou confeito de chocolate crocante para cobrir.

– cerca de 25 forminhas número 4

Modo de preparo: Colocar todos os ingredientes em uma panela e cozinhar em fogo bem baixo e mexendo sempre até a massa se descolar completamente do fundo. Despejar em vasilha untada. Quando esfriar, fazer as bolinhas, passar pelos confeitos e colocar em forminhas.

 Brigadeiro branco com côco ou castanha de cajú: para este doce utilizar os ingredientes acima (exceto chocolate em pó e para confeitar) e para confeitar utilizar côco ralado – branco ou queimado – e xerém de castanha de cajú. O modo de preparo é igual.

Canudinho como fazer CanudinhoCanudinho: Este é uma história a parte. Minha mãe não gosta dos canudinhos comprados prontos por causa do gosto do óleo, da crocância etc. Portanto, fizemos o canudinho, mas para que ninguém desista de fazer a festa ao ler este pedaço, vou considerar a massa pronta, ok? Então não tem mistério, rechear a massa do canudinho com o doce de leite e passar no açúcar. Mas este é o doce que deve ser feito no dia da festa para ficar bem crocante.

Cocadinha mole:

– 1 côco maduro grande inteiro

– 600g de açucar

Modo de preparo:  Retirar a água do côco reservar. Ralar o côco e reservar. Em uma penela, levar o açúcar e a água de côco ao fogo brando e fazer uma calda em ponto de fio. Adicionar o côco. Desligar e deixar esfriar. Nesta festa, fiz a cocadinha mole em copinho. Se quiser serví-la cortadinha, deixar secar mais um pouco no fogo.

 Cajuzinho no copinho

– 1 lata de leite condensado

– 300g de amendoim sem casca torrado e moído

– 1 col. sopa de chocolate em pó

Modo de preparo:  Misturar todos os ingredientes, reservando apenas 2 col. (sopa) de amendoim, e distribuir nos copinhos. Enfeitar com o amendoim.

Goiabada com queijo no copinho

 – 500g de uma goiabada mole de qualidade (eu particularmente gosto de uma que se chama Zélia)

– 1 pote de cream cheese ou 200g de queijo minas meia cura.

– 250g de creme de leite fresco.

Modo de preparo: Distribuir a goiabada entre os copinhos e reservar. Bater o creme de leite em chantily e adicionar o queijo. Com a ajuda de um saco de confeitar, colocar sobre a goiabada.

Bolo MargaridaBolo de Margarida – finalmente!!!!

Eu fiz 2,5 receitas de bolo, sendo 1,5 de chocolate e outra de laranja em forma retangular grande. E delas cortei as pétalas com molde que desenhei em papel manteiga. Foram 12 pétalas cortadas. A receita do bolo de laranja, você tem aqui no blog, a receita do bolo de chocolate é um que eu adoro e que aprendi com uma doceira de mão cheia, a Paulinha do Doce Lucila. Os dois fizeram o maior sucesso. Vamos ao resumo do que é necessário:

– 1 receita de bolo de laranja 

– 1,5 receita de bolo de chocolate

– 1 receita de brigadeiro tradicional, mas retirá-lo do fogo um pouco antes do ponto de enrolar

– 1 receita de casca de laranja em calda

– guaraná, água de rosas para cozinha ou calda de laranja para molhar o bolo.

– 1 receita de quindim 

– 1 receita de glacê real para a cobertura

Bolo de chocolate

Ingredientes (a minha receita está um pouquinho diferente da da Paulinha por causa do açucar mascavo ok?):

– 2 xíc de farinha de trigo

– 1 xíc. e 3/4 de açúcar mascavo

– 1 col. sopa de fermento

– 3/4 de xíc. de chocolate em pó

– 1 copo de iogurte natural(170ml)

– a mesma medida (copo iogurte) de óleo

– 3 ovos

Modo de preparo:  Bater os ovos, o iogurte e o óleo no liquidificador. Misturar os ingredientes secos numa vasilha a parte. Juntar tudo nessa vasilha. Misturar até ter bolhas estourando na massa. Colocar numa forma untada com manteiga e farinha de trigo.

Casca de laranja em calda

– 250g de casca de laranja deixada de molho em água por 24h (trocar pelo menos umas 4 águas durante o processo)

– 500g de açucar

-200ml de água

– 200g de creme leite

Modo de preparo:  Em uma penela, levar todos ingredientes (exceto creme de leite) ao fogo brando e deixar cozinhar até a fazer ponto de fio. Desligar e deixar esfriar. Na batedeira, bater o creme de leite em chantily. Desligar a batedeira, acrescentar o doce, deixando um pouco da calda separada para molhar o bolo. Misturar levemente até ter um creme homogêneo.

Glacê real – separar em 2 porções. Fazer 1/2 receita. Depois outra 1/2 receita, para não ressecar.

– 4 claras de ovos

– 1 kg de açúcar de confeiteiro

– suco de 1 limão

Modo de preparo: Bater as claras em neve. Quando estiverem bem firmes, acrescentar o açúcar – uma colher de cada vez (dica da minha mãe). Depois que estiver completamente diluído o açucar, colocar o suco do limão e bater mais um pouquinho. Utilizar imediatamente.

Quindim

– 6 gemas de ovos caipira

– 6 ovos caipinhas inteiros

– 50g de manteija sem sal

– 175g de açucar

– 125g de côco ralado

Modo de preparo: passar as gemas em peneira (não passar a colher na parte de baixo). Reservar. Derreter a manteiga. Misturar todos os ingredientes e colocar em forma untada com manteiga e açucar (a forma deve ter o tamanho do miolo da flor). Colocar em uma forma maior com um pouco de água e um pano de prato – funcionará como um cozimento em banho-maria. Levar para assar em forno já pré-aquecido a 180 graus até ficar dourado por cima.

Bolo Margarida – Montagem:

Em uma bandeja redonda de 45-50 cm dispor as pétalas já cortadas, sendo uma de chocolate outra de laranja. Umidecer cada pétala com cerca de 2 col. (sopa) de calda ou guaraná. Rechear cada bolo com o seu recheio (brigadeiro e creme de laranja). Colocar a sua pétala correspondente. Umidecer. Cobrir com o glacê real da seguinte forma: fazer uma primeira camada de glacê, cobrindo todo o bolo. Deixar secar. Fazer nova receita (1/2 porção) e confeitar com bico. Quando o quindim estiver frio, virar no miolo da flor. Salpicar açúcar colorido (verde) na bandeja, entre as pétalas. Voilá!

Para finalizar não podia deixar de agradecer ao carinho e dedicação de todos que me ajudaram a  fazer esta festinha à distância, principalmente à minha mãe querida e amada, que tanto me inspira. A maioria das receitas deste post são dela. Boa festa!!!!!!

Enrolando…

Rocambole

RocambolePreciso confessar uma coisa: ando super nostálgica ultimamente. Vasculhando livros, cadernos, memórias para regatar receitas que me trazem aquele gostinho de casa da vó, de família, de conforto.

Nestas buscas, deparei-me com uma receitinha de rocambole que minha tia aprendeu no interior de Minas e  incorporou como da família e, hoje, segue fazendo na Bahia. Super fácil de fazer e deliciosa! Não acreditei que dava certo, mas ficou sensacional. Ótimo para aquele dia de preguiça. Experimente!

Rocambole Fácil da Tia Bete


– 5 ovos

– 3/4 de xíc. de açucar refinado

– 3/4 de xíc. de farinha de trigo

– 1 col. café de baunilha

– 2 latas de leite condensado

– manteiga para untar

Modo de preparo:

Coloque os ovos inteiros na batedeira e acrescente o acúcar e a baunilha.  Ligue a batedeira e deixe dobrar o volume. 

Enquanto isso, unte muito bem uma  forma com bastante manteiga sem sal e cubra toda a forma com o leite condensado. Reservar. 

A seguir, coloque a farinha de trigo na batedeira.  Não deixar bater muito, apenas para  misturar.   Colocar a massa batida sobre o leite condensado cuidadosamente. Asse em forno moderado (180 graus) já pré-aquecido por volta de 40 minutos ou até dourar levemente o pão-de-ló.  Deixe esfriar e, sobre um papel manteiga, polvilhe açúcar refinado e vire a forma já assada e fria.   Enrole e decore à gosto.

Rocambole de doce de leite

Nota: Se vc quiser, pode antes de enrolar colocar morangos (ou outra fruta de sua preferência)  picados sobre o doce de leite condensado e enrolar em seguida. Caso queira fazer recheio de chocolate, acrescentar 2 colheres de sopa de chocolate em pó ao leite condensado.