Rabada com Agrião Desengordurada!

Agora que resolvi fechar as portas do meu catering, temporariamente, para cuidar da minha volta ao Brasil, vou postar as minhas melhores receitas e segredos por aqui! Que sorte a de vocês! 😉

Na verdade, não é justo deixar os meus clientes na mão. E comer bem é um direito de todos! Então, se você já comeu esta rabada, sinta-se muito sortudo(a) e guarde este tesouro no teu cofre. Se você não teve esta sorte, ainda, prepare-se!!

 

Esta receita é uma adaptação de várias outras que eu fui compilando e foi a receita que eu usei para a famosa “Rabada do Rached”. Um presente de aniversário para um grande amigo que rendeu elogios e suspiros e uma imensa vontade de “quero mais”.

E se você está torcendo o nariz ao ler este post, pode parar de lê-lo AGORA!!! Só vou entender se você conseguir me convencer de que a carne do rabo do boi não é saborosa. E se nunca experimentou, nem fale mais comigo. Não gosto de gente preconceituosa!!! O rabo do boi não tem nada de mais. Fica ali, abanando prá lá e prá cá…

 

Pensando bem, tem sim! Tem muita gordura e recobre todo o osso do rabo. E como toda carne com osso e gordura é muito saborosa.

 

Ah… Aposto então que tua desculpa ara não comer rabada é a gordura? A minha não. Leia com atenção a receita e só não deixe a saliva cair em cima do teclado!!!

 

Rabada (serve 6 pessoas)

 

Este receita tem que começar a preparar 2 dias antes de servir.

2 kilos de rabo de boi cortado em pedaços médios (como todo ingrediente, quanto mais fresco melhor! Este rabo que cozinhei estava tão fresco que quando o açougueiro deu a primeira machadada para cortá-lo espirrou sangue prá todo lado! Quase uma bendição!!!) 

4 limões ou vinagre, o quanto baste

sal e pimenta do reino a gosto

1 cebola branca grande

4 dentes de alho

4 ramos de alecrim

4 ramos de tomilho

1 punhado de salsinha

400 ml de vinho tinto

2 folhas de louro seco

2 latas de tomate picado

caldo de carne ou água, o quanto baste

2 maços de agrião lavados e escorridos

 

Limpe os pedaços de rabo retirando o excesso de gordura (só o excesso) e os nervos. Passar os limões ou o vinagre e lavar em água corrente. Secar e temperar com sal e pimenta do reino. Reservar.

Em um processador de alimentos colocar a cebola, alhos, as ervas sem os talos e picar. Juntar o vinho e regar a carne. Tente fazer uma única camada de carne em uma panela ou travessa para que todos os pedaços fiquem na marinada. Cobrir com plático e deixar a carne na marinada por, no mínimo, 12 horas, na geladeira.

No dia seguinte, retirar a carne da marinada e secar bem com papel toalha. Aqueça o forno a 180 graus. Em uma panela grande, que possa ir ao forno, dourar os pedaços de rabo. Não coloque muitos pedaços ao mesmo tempo na panela. Se necessário repita a operação. Colocar a carne de volta na panela, acrescentar a marinada, 2 folhas de louro, os tomates picados e cobrir com o caldo de carne ou água. Deixe ferver e retire a espuma que se forma na superfície.  Prove o sal e a pimenta. Tampe a panela e coloque para cozinhar no forno por 1 hora, ou até que a carne esteja bem macia, quase soltando do osso. Hummmmm. (Se você preferir usar panela de pressão, cozinhe por 30 minutos, ou até que a carne esteja macia).

Separe a carne do molho e deixe ambos esfriar. A carne deve ser guardada na geladeira até o momento de ser usada. A gordura do molho, ao esfriar, se solidificará e será muito fácil de retirá-la com uma colher (que segredão!!!). Este processo pode demorar 24 horas. Já sem a gordura o molho deverá ser guardado na geladeira ou utilizado de imediato.

No dia da rabada, coloque o molho desengordurado numa panela e deixe ferver. Coloque as carnes no molho e ferva, novamente, a fogo lento. Prove o sal e a pimenta. No momento de servir coloque o agrião sobre a rabada e abafe por alguns segundos. Eu gosto do agrião fresquinho por cima, não todo murcho… Este maná eu sirvo com mandioca cozinha ou polenta mole.

 

Limpe a baba, por favor!

 

P.S. A melhor “cantada” pra quem cozinha: “Tua comida me lembra da minha mãe!”. Obrigada, Eduardo!!!

Hoje é dia de comer tamales!

Hoje é dia de comer tamales! Para quem não sabe, tamales são umas “pamonhas” muito típicas por toda a América Central e parte norte da América do Sul. Os tamales, na sua maioria são salgados e recheados. Se você torceu o nariz, como eu costumava fazer, não sabe o que está perdendo. São deliciosos e aqui no México os carrinhos de tamales estão por todos os lados! Costumam-se rechear os tamales com carne de porco desfiada e salsa de chile verde, com frango e mole (o meu preferido!), queijo com tiras de chile e outros recheios. E por que hoje é dia de tamales??

Hoje se comemora o Dia da Candelária, que é  um seguimento das festividades do Dia de Reis Magos, 06 de janeiro. Aqui as famílias se juntam e presenteam as crianças (como nós fazemos no Natal) e sempre se reparte uma Rosca de Reyes. Dentro da Rosca está escondido um bonequinho que representa o Menino Jesus e quem come o pedaço com o bonequinho deve preparar os tamales para toda a família no dia 02 de Fevereiro. Neste dia a festa começa com uma grande missa e o “batizado” do Menino Jesus. E o “padrinho” recebe toda a família para o grande banquete. A origem da festa, que eu também não conhecia, você pode checar aqui.

Confesso que eu nunca preparei tamales, pois aqui se encontra dos mais deliciosos possíveis. E também é muito trabalhoso. Mas esta receita é garantida. A Dona Rosa é responsável por preparar tamales há mais de trinta anos e gentilmente me cedeu a receita e uns deliciosos tamales, claro!

Uma pena eu não conseguir uma foto da D. Rosa… Só de sua vaporeira! Ela não se deixa fotografar. Vem de um pueblo que acredita que a câmara fotográfica rouba o espírito das pessoas! Que fofa!!!

Tamales (Serve 10 porções)

100 gr de gordura de porco

300 gr de farinha de milho branca (aqui se usa a farinha de nixtamal que é própria para tortillas e tamales. D. Rosa me disse que não usar esta farinha não dá certo. Xiiii!)

10 gr de fermento em pó

10 gr de sal

550 ml de caldo de frango

folhas de milho lavadas e escaldadas (pode-se também usar folhas de bananeira)

Na batedeira bater a gordura de porco a velocidade média até formar uma pasta esponjosa, suave e brilhante.

Misturar a farinha de milho com o fermento e o sal. Trocar o batedor para o gancho de pão, pois voce formar uma massa pesada. Juntar a farinha a gordura e bater por 5 minutos. Bater mais 5 minutos, porém desta vez agregando, pouco a pouco o caldo. Quando todo o caldo já tiver sido incorporado bata em velocidade média por mais 5 minutos até formar uma massa esponjosa, suave, mas firme.

Colocar uma vaporera com água no fogo. Em uma folha de milho colocar uma porção de massa, o recheio que te agrade e por cima mais massa. Feche com outra folha de milho e amarre com barbante de cozinha. Coloque na vaporeira e cozinhe ao vapor por 1 hora. Desenrole ainda quente e sirva com salsa picante! Ui!