Escondidinho de mandioquinha e shitake fresco!

Desculpe-me insistir com a mandioquinha (ou batata baroa ou batata salsa), mas é que eu adooorooo! E além disso, os nutricionistas dizem maravilhas desse tubérculo que tem o índice glicêmico menor que a mandioca. Pra quem é diabético ou que está de olho na balança é bom levar este índice em conta!

Apesar do escondidinho tradicional ser feito com mandioca e as versões sem carne terem quase sempre bastante queijo,  esse escondidinho não perde nada em sabor! E olha que tem um tiquinho de gordura!

Assisti um documentário outro dia, aliás recomendo chama-se Fat X Sugar, Gordura (carnes, manteigas e etc) versus Açúcar ( doces, carboidratos e etc) . São dois irmãos médicos gêmeos idênticos que em nome da ciência fizeram cada um , uma dieta com ênfase em um desses e evitando totalmente o outro e vice e versa, para descobrir o que faz mais mal. Pra resumir muuuito ( vale assistir mesmo, se você gosta do assunto), chegaram a conclusão que o grande perigo são os dois juntos, porque a mistura é incrivelmente palatável, engorda muito mais e prejudica ainda mais a saúde! Ahaha por isso que sorvete, mousse e os salgados, escondidinhos e lasanhas são quase uma unanimidade!

Pois é, por isso esta minha luta em provar que não precisa ter tanta gordura ou farinhas refinadas pra ser delicioso. E esse escondidinho é uma prova!É  Bom , muito bom, boníssimo!

Claro que não vamos abandonar a lasanha ou o escondidinho de carne seca, mas a gente pode deixar estes pratos para ocasiões especiais. Isto não quer dizer que o escondidinho de mandioquinha não deva ser servido em dias especiais, muito pelo contrário, depois que você experimentar, servirá no almoço de domingo e olha que para uma descendente de italianos, significa a glória total rs!

Espero realmente que aprovem! Beijo e até a próxima!

 

Escondidinho de mandioquinha e shitake
Print
Ingredients
  1. 1 kg de mandioquinha cozida
  2. 200g de shitake fresco cortados em fatias
  3. 1 cebola cortada em rodelas finas
  4. 1/4 de xícara de saquê
  5. 2 colheres de sopa de shoyo sem glutamato monossódico
  6. uma colher de chá de pimenta calabresa ou outra de sua preferência
  7. 2 colher de sopa de azeite de oliva extra virgem
  8. Sal
Instructions
  1. Cozinhe as mandioquinha, mas não as deixe desmanchar. Tempere com sal e o azeite e amasse até formar um purê firme ( será que isso existe rs). Em uma panela leve a cebola e refogue sem nenhum óleo. Acrescente o shitake, o saquê, o shoyo e a pimenta, deixe cozinhar por 5 minutos ou até o cogumelo ficar bem macio. Ajuste o sal, já que o shoyo sem glutamato não é muito salgado, ainda bem!
  2. Monte em um refratário uma camada com metade do purê, recheie com o cogumelo e cubra com o restante do purê. Se o purê estiver bem quente, nem precisa esquentar para servir.
Notes
  1. Dica importante: Não lave os cogumelos ( todos os cogumelos), limpe-os com um pano limpo ou papel e perceberá que o resultado depois é um cogumelo tenro, muito mais macio! Use a pimenta que preferir, mas a calabresa deve ser levada em consideração rs!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Couscous com abobrinha e berinjela, pensando no Natal!

Semana passada no dia do feriado de Consciência Negra fizemos uma reunião de família para discutir o menu do Natal. E que depois de umas cervejas decidimos que o Natal seria dia 25 e teria peru rsrs, o resto, bem o resto… a gente decidiria por whatsapp no grupo da família rsrsrs. 

Enfim gente, o Natal está ai!

Amo Natal, certa feita em uma fase não tão boa da minha vida, um psiquiatra me disse que eu não poderia deixar de tomar os antidepressivos nesta época porque não seria bom! Foi então que eu decidi mudar de médico, mudar de tratamento porque nem todos ficam tristes no Natal, eu por exemplo fico muuuuito feliz! E olha que já passei natais bem tristes,  sem meu pai, sem minha avó e mais recentemente, sem uma de minhas tias queridas! E nem por isso, não quis comemorar, muito pelo contrário, aí que é preciso juntar a família e reviver os bons momentos!

Nas próximas semanas, vou publicar aqui  algumas receitas saudáveis pra mesclar com todas as delícias que a gente fica esperando o ano todo pra comer!

E pra começar esse couscous vegetariano muito saboroso acompanha muito bem as aves, carnes e peixes de Natal, ano novo e a festa que vier!

Eu adoro esta receita, espero que gostem. Beijo e até a próxima!

Couscous com abobrinha e berinjela
Print
Ingredients
  1. 1 e 1/2 xícaras de couscous
  2. 1 e 1/2 xícaras de caldo de frango ou outro caldo de preferência
  3. 2 abobrinhas pequenas cortadas em cubinhos
  4. 2 berinjelas cortadas em cubinhos
  5. 2 dentes de alho
  6. 1 cebola pequena cortada em cubos
  7. folhas de manjericão
  8. folhinhas de orégano fresco
  9. pimenta rosa
  10. pimenta branca
  11. 1/3 de xícara de nozes picadas
  12. 4 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
  13. sal a gosto
Instructions
  1. Em uma frigideira adicione 2 colheres de sopa de azeite, o alho picado ou espremido e refogue a abobrinha, a pimenta branca e sal a gosto por 2 minutos. Desligue o fogo e acrescente o manjericão. Reserve. Nesta mesma frigideira adicione 2 colheres de sopa de azeite e as nozes, deixe no fogo mínimo para "soltar o sabor" no azeite. Acrescente a berinjela,tempere com a pimenta rosa, o orégano fresco e sal a gosto, refogue por por 2 minutos. Junte os refogados. Hidrate o couscous com o caldo fervente. Adicione o couscous hidratado aos legumes e nozes. Ajuste o sal. Finalize com um fio generoso de azeite.
Notes
  1. Se não encontrar orégano fresco, pode substituir por sálvia, tomilho ou alecrim. Se não quiser fazer caldo pode hidratar com água fervente. Pode trocar as nozes por castanhas de caju, fica muito bom também!
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Torta com massa de semente de girassol sem lactose e sem glúten, claro!

Visitamos ( Letícia e eu) a padaria Lilóri em São Paulo, especializada em produtos sem lactose, glúten e soja . Lugar aconchegante e  tudo muito gostoso.  Sai de lá cheia de ideias. 

No início da minha incursão pela culinária saudável profissional, foquei em alimentos sem glúten, testei muitas receitas e fiz vários cursos . E neste mundo das restrições, a busca pela textura, vai além do sabor.  Fui atrás de TODAS as farinhas sem glúten existentes no mercado: farinha de arroz, de amaranto, de grão de bico,  flocos de quinua, farinha de maracujá, de berinjela e por aí vai. O problema é que o glúten é que torna a massa elástica e claro, fazer um pão sem glúten com a mesma textura do de trigo, quase impossível. Peraí, nada é impossível!Lilóri chega lá!

Tenho uma amiga que faz uma dieta sem glúten, sem lactose e sem açúcar para o seu filho autista. Impressionante como o Juninho melhorou depois de poucos meses de dieta. Nós duas trocamos muitas receitas e principalmente dicas de uso de ingredientes mais fáceis de encontrar aqui no interior. E por isso, comecei a usar  farinha de milho, fubá, farinha de mandioca, o resultado é muito bom. Depois disso, parti para pesquisas mais generalizadas de alimentação saudável. E mesmo assim, num mundo que os cardápios com poucas opções, com pão francês e leite de manhã,  pizza de muçarela  no almoço e esfiha no jantar, conhecer opções sem glúten e sem lactose abre horizontes,  inclui sabores e nutrientes importantes.

 A semente de girassol é um ingrediente que vivo testando. Possui alto teor de vitamina B, é rica em gorduras poli-insaturadas (ômegas 3 e 6) e também contém vitaminas E e A. São fontes de cálcio, fósforo, potássio e magnésio.E além disso, fácil de achar!  E essa torta? Ficou ótima! Macia por dentro e crocante por fora. Sobremesa perfeita para uma visita vegana rs! Rápida e agrada a todos os paladares! 

Espero que gostem, como eu ! Beijo e até a semana!

 

 

 

Torta de massa de semente de girassol
Print
Ingredients
  1. 1 xícara de semente de girassol descascada
  2. 1 colher sopa de azeite de oliva extra virgem
  3. 100g de tofu firme orgânico
  4. 1/2 xícara de açúcar fit ( stévia+demerara)
  5. 6 colheres de sobremesa de geleia orgânica sem açúcar
  6. raspas de limão
Instructions
  1. Leve ao fogo baixíssimo (aquele que a chama fica quase invisível) a semente de girassol e o azeite. Assim que estiver ligeiramente dourado, desligue. Em um processador, depois de frias, processe bem a semente de girassol, até virar uma farinha. Acrescente o tofu e a açúcar fit. Assim que formar uma massa uniforme desligue. Em forminhas de silicone untadas com óleo ou azeite, coloque uma colher de sopa de massa, alise e alinhe. Leve ao forno preaquecido a 180º por aproximadamente 20 minutos. Retire delicadamente a massa e sirva com 1 colher de sopa de geleia e raspas de limão.
Notes
  1. Você pode substituir o açúcar fit por açúcar. A geleia pode ser substituída por qualquer recheio que a sua imaginação permitir ou o que tiver na geladeira rs.
Memórias Gastronômicas http://memoriasgastronomicas.com.br/

Para um ano novo mais leve.

Saladinha de Cenoura

Saladinha de CenouraCaros amigos, como foram de festas? Ficamos um período longe de vcs, mas foi por bons motivos: viagens, cursos, celebrações  e mudanças, muitas mudanças…

Hoje, resolvi fazer uma pausa na abertura de caixas para deixar uma receitinha deliciosa, leve e fácil de fazer.

Esta receita me foi dada quando ainda estava grávida da minha filha, pela nutricionista que me acompanhou na reta final, Renata Chaves (do Renutre). Logo me apaixonei e virou parte da minha rotina. Hoje, a escrevo aqui em homenagem ao meu irmão que está fazendo uma dieta super restrita para um tratamento de saúde.

Hermano: Parabéns pela força de vontade e perseverança. O objetivo final vale muito a pena!

Chega de papo e vamos a receita. Mas não sem antes desejar um feliz ano novo a cada um de vocês que tem nos acompanhado nesta trajetória deliciosa da cozinha para o blog. Que vocês tenham um ano de muito equilíbrio, paz e bem – e uma boa pitada do seu tempero predileto! Beijo no coração!

Saladinha de Cenoura com Passas e Cominho

– 2 cenouras raladas

– 1/2 cebola roxa cortada à julienne bem fininha

– 1/2 colher de sopa de grãos de cominho

-1 colher de sopa de passas brancas secas (reidratadas)

– 3 colheres de sopa de vinagre ou limão

– 1 colher de sopa de azeite

– Sal e pimenta à gosto

Modo de preparo:

Picar a cebola e deixar de molho em água gelada por 15min. Deixar também as passas de molho em água morna por 15 min. Ralar a cenoura. Reservar. Pegar os grão de cominho e colocar em uma frigideira quente (sem óleo nem nada) por 2 minutos (apenas para exalar o seu aroma). Misturar todos os ingredientes e levar a geladeira. Está pronto!

Projeto verão em plena ação!

Quibe de Quinua e Legumes

Quibe de Quinua e LegumesApesar do tempo ainda estar maluco e eu continuar oscilando entre meus doces testes doces e meus pratos lights, continuo firme e “mais ou menos” forte no meu projeto verão. Ele está surtindo efeito, o que é bom…

E, para equilibrar estas duas realidades preciso de comidinhas deliciosas… ou caio em tentação e fico só na parte 2.

Como prometido por uma das nossas leitoras especiais nos comentários do post Fase light… mas com sabor!, recebi uma receita que testei e adorei! Perfeita para esta fase: nutritiva na medida certa, desitoxicante e super saborosa.

Vale a pena experimentar!

Receita de Quibe de Quinua e Legumes (receita da Chef Valéria Rúbio  do Parada Saudável)*

– 2 xíc. de quinua  pode ser branca, preta vermelha ou todas misturadas- fica bem bonito)

– 4 xíc. de água

– 3 xíc de abóbora japonesa cozida e espremida (medida após espremida)

– azeite, sal e noz-moscada a gosto

– 1/2 xíc. de brócolis picado

– 1/2 xíc. de ervilhas frescas

– 1/2 xíc. de alho-poró picado

– 1/2 xíc de shitake picado

– 1/2 cebola picada em cubos

– 20ml de sakê

Modo de Preparo:
Ferva a água e cozinhe a quinua, conforme orientação do produtor. Quando pronta, misture com a abóbora e tempere com a noz-moscada, sal e azeite. Reserve.

Refogue a cebola, o alho-poró, acrescente os demais legumes e o shitake. Flambe-os com o sakê e deixe-os
o mais al dente possível. Monte em um pirex, colocando metade da mistura de quinua, depois o recheio, cobrindo com o restate da quinua. Coloque no forno pré-aquecido a 200 graus por cerca de 15 minutos, para a massa secar um pouco.

Pronto, delicioso e super saudável!

 * Receita adaptada de original da Tatiana Cardoso do restaurante Moinho de Pedra (São Paulo)

Parada Saudável

Tel: +55 15 3282-3769

email: valeriamrubio@yahoo.com.br

 

Ainda sobre falafel…

Fallafel, arábe, petisco, lanche

Lendo o post sobre o sanduíche de falafel em Paris, minha cunhada me pediu uma receitinha para poder fazer em casa. Então aí vai uma que fiz outro dia…

 

 

Fallafel, arábe, petisco, lanche
Esse falafel com uma cervejinha...

Falafel

– 250 g de grão-de-bico sem pele (é bom deixá-lo de molho por, pelo menos, 3 horas)

–  250 g de batata cozida e espremida (como para purê)

– 1 cebola picada bem miúda

– 2 dentes de alho amassados

1/2 xíc. (chá) de coentro (ou salsinha para quem tem restrição) picada

– 1 colher (chá) de cominho em casino spiele

-1 pimenta dedo de moça bem picadinha

–  sal e pimenta (árabe ou do reino branca) moída a gosto

– 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio

– óleo para fritar

Num processador coloque grão-de-bico sem pele e processe até virar casino online uma massa. Coloque em uma vasilha e adicione a batata, cebola, alhos, cominho, coentro, sal, pimentas e, por último, bicarbonato de sódio. Misture muito bem.

Em seguida, faça pequenos bolinhos e frite-os em óleo não muito quente (150ºC a 160ºC) para cozinhar por dentro e dourar por fora.

Sirva imediatamente, com uma saladinha ou em sanduíche. O molho tarrine combina super bem com o falafel. Bom apetite!!!

* se quiser fazer uma opção um pouco mais light, pode-se assar o falafel, mas não é a mesma coisa…